segunda-feira, março 26, 2007

Outras Leituras XIV - Os Filhos de Salazar...

Leio este texto como um grito de insubmissão. Por isso aqui fica, ilustrando este espaço. Agradeço à Lique ter escolhido este blog para de novo se fazer ouvir.Honra-me a sua preferência.

.............................................................................................................

"Dizia o meu pai que todos éramos “filhos de Salazar”. Esta expressão, vinda do lutador contra o Estado Novo que ele sempre foi, chocava-me e tenho que confessar que, durante algum tempo, não a compreendi.

Quando terminou o programa “Os Grandes Portugueses”, ouvi da boca de uma das minhas filhas aquilo que eu sabia mas que me fez ter orgulho e, apesar de tudo, alguma esperança: “Porque é que não veio aqui ninguém dizer, a esta gente que votou nele, que muito do que lhes desagrada no que somos hoje, a ele o devemos?”.

Durante muito tempo, no pós-25 de Abril, falou-se da pesada herança do fascismo. Também não me lembro de ter ouvido alguém explicar que essa herança não era só o atraso, as cicatrizes das perseguições, os horrores da guerra colonial, etc.

Não sei se alguém disse que a pior herança estava na demissão do direito de cidadania, na falta de ambição, na eterna espera de homens providenciais, naquele jeito de sermos sempre “pequeninos”, no nosso terrível complexo de inferioridade que, por não assumido, nos leva sempre a culpá-los, a “eles”, de tudo o que acontece. Eles, somos nós. E, enquanto isto não estiver interiorizado neste povo, seremos filhos de Salazar. E correremos para a imagem do pai quando tudo parece correr mal.

Não me interpretem mal. Eu sei que a direita explorou o sentimento de frustração dos portugueses e que o voto foi militante e organizado. Mas, mais uma vez, não houve resposta digna de um povo que se quer livre desses fantasmas, para poder progredir. Dir-me-ão que é só um programa de televisão.

Mas, neste país, é grande o impacto dum programa de televisão. Esperemos que, pelo menos, a RTP saiba corrigir este “branqueamento” da imagem do pai com informação suficientemente esclarecida para que os filhos o “matem” (ai, Freud, se não fosses tu…) e tomem nas mãos as rédeas do seu destino. Isso sim, seria serviço público".

(A Lique está desaparecida da net. Mas ontem, com a indignação sentida depois do programa, renasceu. Agradeço ao Herético acolher este texto, neste espaço onde a informação e a opinião reinam)

24 comentários:

JPD disse...

Olá LIQUE!
Olá Herético!

Quero felicitá-los por mais esta iniciativa.

Tanto em Espanha, através do «Olvido» de Franco, como na Alemanha, através do não mencionado de Hitler, conheço mal o caso francês e do Gen. Petain ou o caso italiano -- ao menos enforcaram Mussolini -- aqui em Portugal, porque a nossa «suavidade» é assim, uma chatice, o programa de tv resolveu pôr a votação uma dúzia de opções e a votação militante, achou que as duas finalistas seriam: Salazar -- Porque não "SALL AZAR!!!" -- acabou de ganhar -- e CUNHAL -- que se tivesse tido oportunidade de se instalar no poder nem quero imaginar no que estariamos transformados!

A gravidade e irritabilidade dos finalistas é que há um esforço militante para esquecer a cultura, a importância da divulgação. da informação, do confronto, do contraditório, de um quotidiano plural. Aquelas duas personalidades garantiram isso?

Degladiaram-se, é certo, mas e a tolerância...

Bjs para a Lique; um abraço para o Herético.

(Nota: Há uma nova edição no osuordabelha.blogspot.com )

O JACARÉ 007 disse...

O que pensa do estado da Justiça?

Frioleiras disse...

Lique.......
Há qt tp !!!!
Bem vinda !

herético disse...

Meu caro JPD,

vejo-me constragido a repetir o que tempos atrás aqui escrevi, a propósito de concurso:

"...entre o resistente heróico e o carrasco não há qualquer equivalência possível(...). E quem quiser introduzir qualquer equivalência entre ambos ou é ignorante, ou está intoxicado pela propaganda pós-salazarista..."

Isto para dizer que Álvaro Cunhal não se "degladiou" com Salazar: bateu-se heroicamente pela liberdade do Povo Português.

E pagou, por isso, com torturas cruéis e mais de uma dezena de anos de prisão. A mando de Salazar, para o caso de não saberes (ou estares esquecido)...

Quanto à tua pródiga imaginação, confesso que a prefiro admirar nos teus sempre excelentes textos. De facto, neles corres menos riscos de não acertares...

abraços

rui disse...

tristeza e vergonha.

uivomania disse...

Haja pão e vinho sobre a mesa. Recupere-se a modesta casa portuguesa a sagrada confissão com a absolvição dos nossos pecados repisados e a certeza de que quem nos vilipendeia e maltrata... concerteza gosta de nós (até as putas sabem disso). ...Pois se nós de nós não gostamos, pois se nós nos recusamos a tomar em mãos destinos mais ousados e dignos... que mais nos resta que clamar pelo retorno de um novo e moderno... Salazar?!

sonia r. disse...

Não gosto de Salazar, mas acho barulho a mais para um simples progama de televisão. Salazar políticamente está morto, mas o resultado é consequência da esquerda que temos e que não se indignaria se fosse Cunhal a vencer.
Bom dia.

jrd disse...

Os fascistas vo(mi)taram e a RTP ficou orgulhosamente suja.
O País segue dentro de momentos, i. é, no próximo concurso.

Licínia Quitério disse...

Triste, mas não surpreendida. A direita trabalha na sombra e arrebanha descontentamentos compreensíveis, ignorâncias inconcebíveis, saudosismos repugnantes. A RTP encarregou-se (quem me dera dizer ingenuamente!) de pôr em cena este espectáculo aviltante.
Não, não é este o Portugal que somos. Recuso ir por aí.
Vergonha sinto. Talvez também eu não tivesse gritado tão alto quanto podia quem foram as vítimas do carrasco primário e sinistro que nos governou. De entre elas, sei agora, estão as mentes castradas que nele votaram.

Obrigada, Lique!
Obrigada, sempre, Herético!

Beijos para os dois.

Opintas/Bernardo disse...

Só konheço o Louça...um abraço,

OrCa disse...

Não sei se este é o "Portugal que temos" ou se estes serão "os portugueses que somos"... Não sei, isto é, não estou certo. Mas que este é muito do Portugal que temos e dos portugueses que somos, disso não tenho dúvidas nenhumas.

Por outro lado, as televisões NÃO SÃO a vida que temos, nem devemos pautar as nossas mentes e as nossas vidas por este tipo de dejectos.

A aberração daquele "concurso", bem como do outro, o das gajas e dos parvos, esses, sim, são preocupantes... pois, muita atenção!- há diferenças de realidades incontornáveis: o "Botas" já morreu, mas os promotores desses concursos andam por aí, vivinhos e mal-cheirosos.

E, então, mortos e vivos, ambos pestilenciais, encontram-se. Onde? Na promoção do analfabetismo, da tacanhez, do mau-gosto e da grunhice, que vendem ao desbarato para afogamento da lucidez dos espíritos.

E há sempre uma fauna disponível e relaxadamente aberta para acolher tais dejectos!...

Somos, na verdade, filhos todos de Salazar. Mas não contem comigo para "filho pródigo", pois, por mais perdido que ande nos meus caminhos, àquela "casa" não voltarei.

E, por fim, as comparações incomparáveis. Salazar e Cunhal. Porque cargas de estupidez é que havemos de cair neste jogo falacioso? Comparam-se os 48 anos de ditadura efectiva e mortal com que presunção de realidade?... Afinal, o PC nunca tomou o poder, cá pelas lusas terras... Ah, pois, o Estaline, ou o Staline ou o Stalin... Mas esse tinha bigodes e estava na URSS.

Porque não comparar Carlos Castro e Zezé Camarinha? Madredeus e Zé Cabra? Sólazar e Salcrates?

Em qualquer caso, os dados estão viciados e, assim sendo, eu não vou a jogo e retiro-me da mesa. Porque, se jogar, cairei na armadilha que me foi montada e a culpa passa a ser minha, também.

Viva, Lique! Viva, Herético! Cá está um bom motivo para nos mantermos vivos!

Abraços.

+desabafos disse...

enfim!

parabéns pelo blog!
;-)

JPD disse...

Olá LIQUE!
Olá Herético!

Apenas esta nota (Não voltarei ao assunto):

A partir do momento em que os dez finalistas foram estabelecidos, votar numa escolha resultaria incontornavelmente na comparação entre os dez concorrentes.

Apurados os dois finalitas, a votação seria inexoravelmente ideológica.

HÁ DÚVIDAS?

O grande dilema foi o que fazer, como votar, quando ambos -- Salazar e Cunhal -- foram escolhidos para a final.

Militantemente, a direita votou em Salazar.

COMPARAR -- ESCOLHER/REJEITAR -- VOTAR

Há algum concurso que se baseie em outra fórmula senão nesta?

O que é que isto significa, poderá representar...Não faltarão opiniões!

Bjs para a Lique
Abraço para o Herético

Kalinka disse...

Olá
Pois é, ando mal, triste, desanimada com tudo à minha volta, desiludida com a maldade da maioria dos mortais, enfim...há-de passar.

Quando aqui cheguei há 2 anos, vim, sem vir à procura de ninguém...mas, hoje, sinto-me bem no meio das pessoas que fui conhecendo aos poucos.

Fizeram-me um desafio e já respondi, é uma forma de me dar a conhecer um pouquinho mais; se quiseres saber algo mais, já sabes qual o caminho que tens que tomar.

AH...1 coisa que faço muito bem:

SER AVÓ.

Beijinhos a todos/as pelas palavras de conforto que recebi.
Muito obrigado.

Maria disse...

Foi um programa de televisão.
Mas é para mim, desde o princípio, uma grande preocupação...
Onde ficou a cultura? Onde ficou o conhecimento?
E lembrar-me eu que esse homem que ganhou fechou escolas, a torto e a direito, alegando que o povo não precisava de saber - bastava ele... ele que fomentou neste povo e neste país tudo o que há de mau numa sociedade (ignorância, analfabetismo, tortura, falta de liberdade, prisão política, sei lá...).
É este o país que estamos, nós, a construir, e que vamos deixar aos nossos filhos e netos...

M. disse...

Compreendo a indignação. E pergunto: Como foi possível tamanho absurdo? O absurdo da escolha e o absurdo do concurso. Porquê tanta perversidade escondida, tanta alienação? Os portugueses merecem melhor, merecem ser tratados de outro modo.
Obrigada, Lique, pela excelência da reflexão. Obrigada Heréctico, pelo espaço posto à disposição do bem comum.

Cris disse...

O povo que somos, salvo raras excepções, não progride sem um Salazar, sem um Pai da Nação. Tornamo-nos ápaticos já há muito.
No entanto, acho demasiado barulho por nada, pois, nós portugueses, somos fantásticos a fazer concursos e a fazer ... nada!

Eu cá queria era o nosso Condestável!!! Nessa altura lutávamos e eramos gente...

Beijinho
Cris

PR disse...

Bom dia, abraço.

helena disse...

Não posso deixar de me espantar que este assunto dê lugar a tanta polémica.

Eu achava o concurso um disparate perfeito pois é superior á minha inteligência, por certo limitada, como se procede à avaliação do que é mais importante, se a genialidade e a bravura por exemplo.
É superior à minha, por certo reduzida, inteligência como se compara Cunhal a Camões ou Pessoa a Salazar... parte da história de Portugal são todos indescutivelmente fora isso as comparações e os juizos de valor para a história parecem-me fora de contexto.
Avaliar a importância de Pessoa na poesia é possivel mas como se compara um poeta como Pessoa a Salazar... eu não sei quem o soube gostava que me explicasse.
Claro que a minha inteligência, por certo parca, não será capaz de alcançar tamanho raciocinio.
Estes concursos existem porque nós sempre misturámos alhos com bugalhos e continuamos a faze-lo felizes e contentes e a teçer juizos de valor sobre tudo.
Tudo é classificável, valorizável, medível e o pior julgável... mas não é... não é mesmo.

Digo eu que não devo ter inteligência suficiente para estas medicões.

Enquanto lhes dão concursos desses o povo anda distraido medindo o que medível não é.

Gostei do teu texto como sempre que aqui venho, pela insubmissão porque tambem eu sou insubmissa mas não acredito que a RTP seja serviço publico nem que estes concursos devam existir só porque têm impacto.
Quanto mais impacto mais danosos são.

Isabel

Diafragma disse...

Sem dúvida o mais be escrito texto que já li sobre este tema.
Sinceros parabéns À Lique pela lucidez de raciocínio e pela beleza da proópria escrita, que se torna muito mais forte por ser isenta de ódios ou eivada de insultos.
Parabéns

Rafael Velasquez disse...

Salazar... vergonhoso. Realmente me falta palavras para comentar. Prefiro me calar. Deixo o silêncio falar por mim.

Vera disse...

Vergonhoso, mas o português é mesmo assim, diz mal mas está sempre lá caído! Tanto lutaram pela democracia e afinal a malta gosta é de ser conduzido como as ovelhinhas... Enfim...

Beijinhos

Anónimo disse...

Salazar ditador e Cunhal combatente de Salazar em alienação ao Comunismo e à Rússia (a URSS foi puro colonialismo russo). A verdade é que a mobilização dos extremistas, COMUNISTAS INCLUÍDOS, é o prato do dia! Somos uma cambada de atrasados que prefere a ditadura à democracia, e está tudo dito.

batista filho disse...

À Lique e a você, meu amigo-irmão, um abraço fraterno e solidário.