domingo, maio 20, 2007

Outras Paisagens - Mães do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) é um movimento político-social brasileiro que luta pela reforma agrária naquele país. Teve origem na oposição ao modelo de reforma agrária imposto pelo regime militar, nos anos 1970, que preconizava a colonização forçada de terras devolutas em regiões remotas, com objectivo de exportação de excedentes populacionais

No passado dia 13 de Maio, as “Mães do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra” homenagearam todas as Mulheres que, no dia a dia, lutam por uma mundo mais justo e igualitário. Com a seguinte proclamação, de que se transcrevem excertos.

“Aos filhos e filhas da terra, em todas as Nações. Aos que não foram convidados para o banquete. Aos que, por séculos, esperam na fila da História. Não seremos espectadoras de um filme, esperando que a luz se apague. É tempo de acreditar na possibilidade de vencer a dor...

Erguemo-nos perante as mães que perdem seus filhos e filhas na guerra, nos massacres urbanos, no cano da espingarda, nos campos de concentração, nos actos de femicídio e genocídio, na violência doméstica, nas perseguições políticas, nas guerras. Erguemo-nos perante aquelas que perdem seus filhos e filhas por não terem leite, pão, terra e acesso aos conhecimentos acumulados pela humanidade...

Erguemo-nos pelas mães que deambulam com seus filhos e filhas em busca de um novo mundo. Erguemo-nos para clamar por justiça social e dignidade...

Erguemos as nossas mãos, nossas vozes e nossas consciências para convocar todas as mulheres trabalhadoras do Mundo a unirem-se contra os exploradores da terra, da vida, da nossa força de trabalho e de nossos corpos...

Dirigimo-nos aos que se dizem senhores do Mundo. Não pedimos a sua autorização para derrubar muros e semear flores e sonhos. Não lhe dedicaremos palavras ambíguas. Lutamos pela terra, pela água, em defesa das sementes e da biodiversidade. Lutamos pelo direito de decidir as nossas vidas , sobre os nossos alimentos, pelo direito ao trabalho, pelo nosso futuro e pela solidariedade entre os povos.

O “desenvolvimento e a modernidade” avançam sobre o Mundo e abrem feridas. Em seu nome se outorgam leis que põem em risco a Humanidade. Contra a deserto verde e a desesperança, rompemos o silêncio e denunciamos os que derramam cinzas sobre os sonhos e aprisionam as flores.

A vossa modernidade é obscurantismo e fome, por isso não serve. Não ousem, senhores, dar um passo mais com vosso projecto de morte. A manipulação criminosa da genética, das monoculturas, dos agro combustíveis atentam contra a soberania alimentar e contra a possibilidade ecologicamente correcto e socialmente justo.

Não permitiremos a destruição da Humanidade (...). Neste dia das mães, reafirmamos a nossa determinação em transformar o campo num espaço de esperança, alegria e sobretudo, de luta. (...) Queremos transformar o Mundo para que seja mais justo e igualitário (...).

Às mães do Mundo inteiro apenas resta organização e luta. Lutaremos incansavelmente contra o sistema neoliberal, que transforma os alimentos, a água, a terra, os conhecimentos e os corpos em mercadorias...

Chegou a hora de se exigir justiça e castigo aos responsáveis pela exploração, pelos genocídios, pelos massacres. Chegou a hora de erguer novas paisagens, novos homens e novas mulheres.

Chegou o tempo de vislumbrar novos horizontes. Estamos de pé, vigilantes, amadurecendo, noite e dia, a fertilidade e a rebeldia que nascem das entranhas da Mãe-terra...”

16 comentários:

Anónimo disse...

A vossa modernidade é obscurantismo e fome, por isso não serve.


_______________________
um abraço.



Terra.










piano.

D. Maria e o Coelhinho disse...

Calcula que, agora,
o Coelhinho tem medo de dormir comigo !!!!
Não vens dar a tua opinião?

ABracinho


D. MARIA

bettips disse...

Mulheres com força de palavras, tão diferente do dia 13 que nos impingem! Gostei de saber. Abç

vida de vidro disse...

Que extraordinária mensagem! É bom saber que existe quem esteja acordado para a vida deste forma. **

Cris disse...

Mães Coragem!

Anónimo disse...

mesmo distante, só ocasionalmente comentando, é um dos meus espaços mais queridos.
deixo um abraço fraterno a ti, Herético e a quem passa, deixando ou não comentários.

batista filho

un dress disse...

belíssimo poema

de intenções

e

gestos


...




beijO

PintoRibeiro disse...

Bonito. Mas muito tipo "amanhãs que cantam". Assim fosse.
Boa noite.

isabel mendes ferreira disse...

aqui...nesta tua paisagem...



trabalhada com ternura.











boa noite.






beijo.

sonhadora disse...

Boa noite.E sonha se faz favor!
Deixo-te beijinhos embrulhados em abraços

Licínia Quitério disse...

Um poema.
Um hino.
Um exemplo.
Uma esperança.


Um abraço.

hfm disse...

Os 3 últimos posts são muito bons e dão que pensar.

Nilson Barcelli disse...

A proclamação é impressionante.
Gostei da tua abordagem, mas eu fico sempre com dúvidas acerca da eficácia deste tipo de movimentos... será que o Lula as ouve...?

Um abraço.

Maria disse...

Como se comenta um texto destes, tão cheio, tão pleno, tão tocante?
As palavras estão lá todas.
Os sentires estão cá dentro.
Levo o texto comigo e deixo-te um beijo...

(Uma nota: estive num acampamento - se é que se pode chamar isso - dos Sem Terra a norte do Recife, há uns anos. É impressionante. O que têm é nada, é zero. Revivi cada momento dessa visita neste texto..)

António Melenas disse...

È bom que se saiba que há outros treze de Maio, menos obscurantistas pelo mundo fora.
Não só chegou a hora mas já está passando da horade se exigir justiça ...mais solidariedade, mais respeito pela vida, mais igualdade de direitos mais terra para trabalhar, mais emprego, mais justos salarios, mais tudo o que estas mães reclamaram.jpyu
Um abraço

OrCa disse...

Viva, meu caro!

Um texto como estes não se comenta. Pratica-se. Ou não.

Um grande abraço.