sábado, setembro 08, 2007

Fragilidade(s)...

A voz é apenas magma
Som inarticulado da palavra em gesto
De saltar do berço...

E o sorriso
Lágrima adiada em caótico delírio:
Um e outro instinto puro...

Mátria porém a raiz do olhar
Que te envolve. E o círculo das mãos
Em teu redor...

António.

..................................................................................................

Antes da "rentré" política, uma embebecida fragilidade...

29 comentários:

triliti star disse...

há algo mais frágil* que a política?


*contingente

Licínia Quitério disse...

Fragilidades que são fonte de (sobre)vivências.

Abraço, Amigo.

M. disse...

Curiosa a coincidência, só que lá não há "rentrée" política e os contornos são prosa...

aquilária disse...

poema-agasalho. tecido de afectos no coração das palavras.

Graça Pires disse...

A raiz do olhar. O círculo das mãos: mátria da fragilidade e da coragem. Gostei do poema. Um abraço.

Maria P. disse...

Muito bonito.

Beijinho*

Vieira Calado disse...

Um poema a reter.
Gosto.
Um abraço.

MANDALAS POEMAS disse...

Hola, desde Barranquilla, Colombia, te envío un caluroso saludo y mis felicitaciones por tu blog en especial por su contenido. Te invito muy cordialmente a que visites el mio donde están consignados mis poemas. Espero tu visita y tus valiosos comentarios.

www.mandalaspoemas.blogspot.com

Un abrazo,


Víctor González Solano

hfm disse...

"Mátria porém a raiz do olhar
Que te envolve."

e está tudo dito.

Gi disse...

Fragilidade? O que deixas é um portento de sentimentos!


beijo

un dress disse...

.teia.

...fio.de.seda...



:)

bettips disse...

Porque me enternece (também) a fragilidade... Como água que corre no veio de nós. Um abraço amigo

Anónimo disse...

lágrima/delírio





saudade.


ABRAÇO.



PIANO.

manhã disse...

que se adie a rentrée e se curam os versos!

manhã disse...

errata: curtam os versos!raios partam o sono!

Frioleiras disse...

Adoro fragilidades........

(à excepção das da politica; alías detesto politiquices...)

Beijinho,
GRANDE
F.

(pressentia que... tinhas "post" novo!)

PintoRibeiro disse...

Ahhh bem...
Abraço,

Ant disse...

seja então uma fragilidade... dizes tu...
Abraço

O Jacaré 007 disse...

Meu amigo você é como o Prado Coelho.
Elas adoram-no.
Porque será?
Abraço.

TMara disse...

"...mátria a raíz do olhar...."
Poemas não dão para comentar. uns dão menos do k outros.
Este só dá para ler e sentir.
bjs
Luz e paz

OrCa disse...

Simplesmente António? Frágil vime que o vento não quebra...

(clap-clap)

E disse!

Abraço.

Sophiamar disse...

Um poema! É sempre bom ler poesia. Um outro oxigénio para a vida.
Beijinhos

herético disse...

meu caro Jacaré,

eu lhe garanto que nada tenho de "pudim flan"... rsss

abraço

Barão Van Blogh disse...

Dóceis contornos esculpidos a cinzel

Que reflectem a frescura da sua pele

D. Maria e o Coelhinho disse...

A PROPÓSITO DE VERDADES:

VERDADE,
CRIME
McCann
CADEIA
CADEIAS
E
EU
PUS O COELHINHO
VÍTIMA DAS
CADEIAS

Vlad disse...

Quando se partilha um vislumbre da nossa própria fragilidade partilha-se tb um vislumbre de coragem... além do mais, muito bem escrito ;)

Um abraço

hora tardia disse...

"flores para ti em forma de bom dia/ dia. nunca frágil".
____________________
____________________

beijo.

Anónimo disse...

:))))))))))))))))

e não me reconheceste....


_______era um solo de piano.

na hora tardia....:)))))

Maria disse...

"embebecida fragilidade"?
O poema é lindo, cheio de tanto........

Abraço