sexta-feira, dezembro 28, 2007

E a fava, senhor Primeiro-ministro?!...

Estamos em época de balanço(s), todos sabemos!... O primeiro-ministro deu o tom na sua charla da noite de Natal, antecipando o tempo e o modo. Ou não fora o eng.º Sócrates um estadista zeloso e atento às necessidades do Povo, sempre venerador da sua Palavra inspirada. Daí, certamente, o esmero de partilhar connosco a noite de consoada, por breves minutos que fossem, em horário nobre de televisão.

Magnífico... Querem momento mais adequado, com maior audiência?!...

Ficamos-lhe gratos, pois claro, mas em verdade, por mim, dispensava! Embrulhou Sua Excelência em colorido papel celofane o aumento do salário mínimo nacional, com que esmolou alguns milhares de portugueses. Ocorre-me, então, dizer que “nunca a mão lhe doa”, enormes que são as diferenças salariais com os trabalhadores da restante Europa comunitária.

O aumento de vinte e três euros mensais sempre dá para fazer um “figuraço”, dirão vozes maldosas (entre as quais a minha). Para quem o concede, naturalmente. E para quem o recebe, o irrisório aumento terá um valor que excede o seu tamanho (ou não fosse a lei da “utilidade marginal” uma experiência viva daqueles que menos possuem), acabando, porém, a magnanimidade do gesto por se “evaporar” no aumento do preço do gás, da electricidade e dos transportes. Antes, porém, não deixou em quem o recebe de afeiçoar a “ilusão” das benfazejas preocupações sociais do governo.

Quem disse que em economia política dois e dois são igual a quatro? São muito mais!.. (Saravah, velho Prof. Teixeira Ribeiro!) . Perfeito, não vos parece?!...

Brindou-nos também o Eng.º Sócrates com outras pérolas da sua governação, com a generosidade de quem distribui substanciais fatias douradas. Entre outras,

a magnificência do déficit orçamental abaixo dos 3% (à custa de investimento público, do garrote dos impostos e do consequente atraso do País e a pobreza dos portugueses);

a grandeza do feito de crescimento da economia na ordem de 2% (com o País cada vez mais na cauda da Europa comunitária, ficando atrás, por exemplo, da Grécia, de Chipre e da Eslovénia, quanto a níveis de desenvolvimento económico e social);

a beatitude de colocar o desemprego no centro das suas augustas preocupações, garantindo-nos que “a economia criou 106.000 empregos líquidos”, (de que os seus correligionários da UGT apresentam versão oposta, com o crescimento do desemprego no último trimestre a uma taxa de 7,9%, como afirmam);

A girândola festiva, como era de prever, rodou à volta dos méritos da presidência comunitária. É humano. As lantejoulas são próprias da época. Mas apenas deslumbram quem quer. Não me atrevo a tanto, mas há quem diga que o País desempenhou a tarefa com zelo de bons mordomos. Porreiro, pá!...

Por minha parte, não me alimento das celestiais delícias, que escorrem das indigestas páginas do “Tratado de Lisboa”. Pelo contrário, partilho a convicção das vozes autorizadas de mais de trezentos economistas europeus de que o “novo Tratado acentua a marca neoliberal que corrói o modelo social europeu”, pois que “não são idealismos jurídicos, que se agarram a uma carta de direitos vazia de conteúdo e a vagas referências a economia social de mercado, que podem contrariar as tendências que nos estão a levar a um modelo de capitalismo falhado” (ver em http://www.memo-europe.uni-bremen.de/).

Ora, perante isto, digam-me se o nosso primeiro-ministro não merecia a fava do bolo?!... Mas não posso obsequiá-lo dessa forma. A ASAE não deixa!...

Vingo-me, hereticamente, num pomposo charuto. Por enquanto, a fumaça não está proibida cá em casa. Nem a ASAE é visita...

Bons “balanços” para 2008!...

28 comentários:

Rosa Brava disse...

Não tenho fava, mas tenho um beijo para te deixar, neste final de ano, desejando que 2008 te seja muito feliz.

FELIZ ANO NOVO ;)

Maria disse...

Delicioso texto, pese embora o que a verdade nele contida significa para os portugueses...
Acrescento as plumas às tuas lantejoulas. e com aquele sorriso seráfico, imagino-o a dançar o can-can....
... coisas minhas, de quase quase fim de ano, claro...
Mas nós continuamos aqui, prontos. para o que der. e vier.....

Bom ano de 2008 (ou o possível....)
Beijo

un dress disse...

chegar nU corpO a b e r t O







cheGar









como quem danÇa


como quem teCe


como quem







redOndaMente





se amanheCe






2008...:)

Oliver Pickwick disse...

Prezado Herético, continuo fã da sua escrita neo-clássica, acadêmica, porém legível até mesmo para o mais singelo leitor.
Da próxima vez que o seu primeiro-ministro aparecer na TV, observe bem a sua mão direita. Se estiver faltando um dedo, é o nosso presidente Lula, disfarçado de premier português. Não posso imaginar outra coisa, pois é impossível duas pessoas praticarem os mesmos atos, além de adotarem atitudes idênticas, como as que descreveu nesse post.
Abraços, e um feliz ano novo!

PintoRibeiro disse...

Tempo ou a falta dele.
Bom fim de semana, abraço,

Popper disse...

Estou contigo, kamarada. Inté.

Maria Laura disse...

Realmente, desta vez parece que o embrulho de Natal não conseguiu disfarçar a "baralhação" do conteúdo do discurso do PM. Digamos que este presente nem era sequer uma lembrança de boas intenções.
Entra bem em 2008, com pensamentos positivos e (vá lá...) uma boa charutada. Pessoalmente, gosto mais de cigarrilhas... Beijo.

isabel mendes ferreira disse...

bom charuto então....espero que os 426 euros cheguem para uma caixa deles...:) de El Fidel...:)

Arriba portugal Porreiro...Internacionalizado.



ah....e bom ano de 2008....e por aí afora.

:)


____________________bj__________.

Jofre Alves disse...

Um balanço dolorosamente amargo, embora o governo pinte o País de cor-de-rosa, a realidade no dia-a-dia é bem diferente.

Feliz Ano Novo, com muita saúde e boa energia! Um abraço.

Jofre Alves
http://couramagazinefoto.blogs.sapo.pt/
http://couramagazine.blogs.sapo.pt/

Vieira Calado disse...

Pois é amigo!
Mas a UE, sabiamente, proibiu as favas nos bolos...
Um grande abraço
e que melhores dias venham neste Novo Ano de 2008.

jawaa disse...

Realmente o bolo-rei não é o mesmo sem fava...!
Um voto de Feliz Ano Novo - de preferência sem olhar a televisão. Não há por aí uma fogueira à mão?
Um abraço

hfm disse...

Apenas para deixar um desejo - que nos continuemos a encontrar nestas palavras em 2008.
Bom ano.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Ah Herético
O Bolo era todo feito de favas!...
A terminar o ano de 2007 quero agradecer-te a pessoa que és e que me tem visitado e deixado mensagens de valor inestimável.
Que o Novo Ano de 2008 te traga tudo o que desejares
Abraços

Mar Arável disse...

junto a minha à tua fumaça

quanto à fava

é melhor substiyui-la por uma ferradura - fora do bolo .
ou tudo embrulhado

Abraço

NÓMADA disse...

Estamos bem precisados de Ano Novo Vida Nova. Mas será que os encontramos em 2008? Espero bem que sim. Tudo bom para ti.
Abraço

bettips disse...

Dispensava este balanço estuporado que me dá ouras. São 200 e tal mil beneficiários ??? do aumento, poças! Um esforço para o capital, poças! Ora é ver aquelas caras de preocupação, a trocarem cadeiras ainda quentes de rabos! E que são trezentos, sim trezentos rezingentos ecunumistas a dissertar e a mascar, nervosíssimos (no smoking) sobre o abismo liberal a que (eles também) nos empurraram? Sim, que eu de economia não sei nada, só sei economizar à força.
Blasfémias sociais, hereges e sape gato, vade retro todos eles!
Como dizia hoje a uma amiga e por outros motivos, a ti/mim digo "que seja um ano menos mau", ó menos

Kalinka disse...

HERÉTICO

2007 está de saída.
Não deixemos que com ele termine a magia, a solidariedade, a amizade que nos aproxima.
Agarremo-las para o Novo Ano 2008.
Que cada dia seja repleto de luzes, esperança, renascimento, renovação, amor, paz e principalmente muita saúde.

Beijos de luz e muita força.
FELIZ 2008!!!

Um Ar De... disse...

Não vi. Não ouvi. Mas não tenho pena!

Felizmente, o meu irmão (em casa de quem passei o Natal e é filiado no PS, embora ande mais comedido nos seus entusiasmos...) teve a amabilidade e a sensatez de não ter a televisão ligada na noite da consoada!... As nossas opiniões políticas nunca foram convergentes, desde tempos recônditos em que chegou a ser da juventude comunista... [Nessa altura, eu pertencia à categoria de "pequeno-burguesa", termo arcaico, mas muito na moda, então.]

Como não sou nenhuma jovenzinha, embora o "tempo" não me tenha tratado mal, ainda me lembro dos últimos discursos natalícios do Salazar [curiosamente, este 1º ministro tem o mesmo tom de "falsete", de vez em quando, o que me deixa enjoadíssima!... e assustada, até!].

Ocorrem-me, ainda, as patéticas "conversas em família" do Marcelo Caetano, pois então!

E lembro-me da irritação da minha mãe, numa mensagem natalícia do Papa: é preciso ter lata, disse ela, o homem é parvo? "deseja um bom Natal sobretudo a quem não tem casa nem família?" É que deve ser mesmo bom!..., protestava a minha mãe.

É preciso ter lata mesmo!...

Nestas alturas, até eu fumava um charuto, cubano, de preferência!... [Mesmo que tivesse um valentíssimo ataque de tosse! Só pelo simbolismo da coisa...]

Também, mestas alturas, não consigo deixar de sentir simpatia pelos anti-heróis desta série de má qualidade, "A Grande Praga - A Peste Neoliberal" I e II... e por aí fora...

Trocam-se os nomes, apenas. Capitalismo estava a tornar-se uma palavra fora de moda [lembrava Marx, não é? Era aborrecido, parecia mal, enfim!... Afinal, somos europeus, ou não somos? Claro que o Marx também era, mas ninguém se lembra, por causa dos outros que tinham aqueles nomes estranhos e... russos, convenhamos!]

Neoliberal é muito mais chique e globalizante...
À custa disso, não me admiro nada com o Lula da Silva a repetir, com o mesmo tom, as mesmas babozeiras!

É pena não se engasgarem [não com as favas, mas com as mentiras]. Mas, têm tão bons fazedores de imagem, que até já nem espalham perdigotos pelo ar.
Bahhh...



Bj e uma boa noite de passagem de ano, com uns bons charutos!...
[Imagino que os fumarás num local arejado, por causa do teu pequeno polimorfo...]

P.S.: Obrigada pelas tuas palavras sempre amigas e no tempo certo.

Maria P. disse...

Excelente como sempre.

Feliz 2008!
Beijinho*

Rain disse...

Já não sei como cá cheguei.
Adorei este teu espaço. Este texto está irónicamente real e muito bom. É que não podia descrever melhor esta cada vez mais "estranha" actualidade. Tens mesmo o dom da palavra. ;)
Parabéns!

aquilária disse...

ainda bem que optaste por esse charuto subversivo, em vez do cachimbo da paz (podre) e da conformidade.
seguindo a sugestão do mar arável, bem apetece roubar o saco a um desses pais-natal alpinistas, enchê-los de ferraduras, distribui-los por certos membros do nosso desgoverno e depois criarmos, em nós, resistência extra para aguentarmos com mais uns coices, dados pelos pézinhos mandões calçados com as ditas.
e ainda havia a lindíssima hipótese, caso o bolo-rei pudesse levar brinde, de esse figurinho se engasgar com um anzol para peixe-graúdo...

bom ano, herético.

NINHO DE CUCO disse...

Herético
Para vencer é preciso acreditar. E é preciso acreditar com força e sentir que há outras sensibilidades que nos reforçam. Acredito, solidarizo-me e luto para que situações de injustiça social sejam erradicadas. E é com essa força que te digo: o Ano de 2008 vai ser melhor e gratificante para ti nas suas compensações. Bom Ano de 2008!..

Afrodite disse...

um Bom Ano!

Parvinha da Silva disse...

um Ano Bom!

Vlad disse...

A despesa pública... muitos anos de ordenados congelados aos trabalhadores para que os ordenados e beneficios dos administradores (os amigos que o partido do governo e o maior partido da oposição vão colocando nos lugares de "tacho, já sequer sem pudor de os discutir publicamente)continuem capazes de chocar o mais ordinário dos "chulos" em qualquer país da europa.

Que a voz deste blog continue elevar-se, se possível ainda mais acutilante, quando os ponteiros deste relógio rodarem no novo ano de 2008.

Um grande abraço e desejos que os teus desejos se concretizem ;)

Maria Luar disse...

Vim desejar-te um bom Ano Novo
Saúde em quantidade
Alegria para o ano inteiro
Amor de qualidade
E também algum dinheiro

Abraço

*
xi

*

OrCa disse...

Ora cá estamos, uma vez mais, numa cândida consonância, meu caro.

Deste governo, apetece-me inventar uma parábola:

- Perante os lamentos inconsoláveis de um homem a quem acabaram de vazar um olho, questiona-o o autor da vileza: "- Olha lá, de que é que te queixas? Não estarias pior se te tivesse vazado os dois?"... E ao recém-cego resta, talvez, agradecer humildemente.

Tal me parece ser o alcance das "significativas melhorias" apregoadas. De nós espera-se o agradecimento humilde.

Ainda que o coice seja incomensuravelmente mais apropriado.

Apesar dos pesares, um magnífico 2008, cheio das mais felizes realizações que me conata que dos fracos não reza a História.

Mariadosol disse...

Isto são "favas contadas" meu caro.

Um ano cheiinho de coisas boas

Mariadosol