quinta-feira, janeiro 17, 2008

De vez em quando um poema...

Se chegar a velho...

“Se chegar a velho,
Deixarei crescer a barba à minha vontade.
Uma doença, talvez mortal, persistente,
Será a minha amiga.
(...) Na boca talvez me cresça uma gardénia
Por ter falado demais.

Ah! Então, talvez até desfie o rosário
E tenha um lamentável desejo de falar de gladíolos
Dar conselhos definitivos carregados de experiência.

O mais provável é que caminhe curve sob o peso
Da lembrança, da lembrança dos meus amigos (in)justiçados,
Suicidados ou desaparecidos para além da fronteira,

Quem sabe onde, se chegar a velho!...”


Miguel Bauçã – Antologia “Poetas Catalães de Hoje” - Edição “Centelha” – Coimbra 1972.
.......................................................................................................................

Hoje, um irresistível desejo de vos falar de gladíolos!...

30 comentários:

un dress disse...

( ai mas que coisa tão bela falar assim de flores! )

pois que te cresçam pois na boca

ecos de todas as pétalas

do girassol

à rosa vermelha

passando pelo

gladíolo.

sim: gla d í o lo...

que delas cresçam palavras

urgentemente: a go ra.

porque em breve

( sim, em breve...)

vamos todos

em bo ra!



:) beijO

un dress disse...

"pois"...na primeira linha...

escolhe o que mais gostares!

e só um. :))

un dress disse...

há alguma lei da

simultaneidade!? :)

São disse...

Gostei de te ler...gostei mesmo.

Abraço.

walter disse...

Velhos são os trapos. Vem daí comigo e vem tomar um copo sentado no meu Cadeirão.

Maria disse...

Adorei este poema.....
Como eu gostaria que hoje, na AR, nascesse um enorme cravo vermelho na boca de cada um dos deputados que vai abrir a boca em defesa da nova lei das autarquias..... que esse cravo o engasgasse para sempre....
Hoje apetece-me ir para a rua com cravos vermelhos!

Beijinhos

Justine disse...

Isso só "pra não dizer que não falaste das flores"...(que o Gerardo me desculpe a deturpação)

M. disse...

Compreendo esse teu desejo de falares hoje de gladíolos, pois que é uma flor belíssima que nos atrai o olhar e nos serena.

Maria P. disse...

Até gosto muito de gladíolos!...

Bjos*

Nilson Barcelli disse...

Os gladíolos são bonitos.
Mas o poema... muito bom. Não conhecia e gostei de o ler.

Bfs, abraço.

Peter disse...

Não estou a ver a flor e não faço a mínima ideia da sua aparência.
Quanto ao chegar a velho, é o que vejo qd faço a barba.
Tenho de deixar de fazê-la.

Entre linhas... disse...

Pois tens toda a razão é uma linda flor.
Desejo-te um óptimo fim de semana e deixar-te um beijinho.
Bjs Zita

fronteiras disse...

Falta tanto... mas o poema está lindo, preeche pedaços de mim, outros ficam por preecher.
Bom fim de semana
Abraço

jrd disse...

Quem sabe (até) onde se chegou, se chegar a velho significa poder falar de gladíolos e lembrar os Amigos?

Mariadosol disse...

se...

Klatuu o embuçado disse...

Ou é próstata por coçar ou tás apaixonado! :)

Abraço!

velha gaiteira disse...

Olha meu caro,
eu já lá cheguei e que remédio tenhoe eu!

Não te amofines.

abração

Anónimo disse...

ola heretico
a conversa produtiva em local mais acolhedor deixo a imaginaçao dos leitores.rsss
quando chegares a velho deixa crescer a barba mas nao queiras nenhuma doença como tua amiga. li noutro dia nalgum lado, nunca sei onde leio as coisas de tanto ler seja o que for, que a morte nos leva por inveja e nao por sentido biologico.
beijinhos da leonor

http://leonoretadelambreta.blogs.sapo.pt

Um Ar De... disse...

É curioso escolheres este poema... [e um poema!]

Tenho pensado nas (des)vantagens de se chegar a velho(a). Não prevejo que lá chegue, não sei porquê. Talvez, quem sabe, alguma doença pouco amiga? Infelizmente, não poderei deixar crescer a barba e não estou a ver um substituto com a mesma sobriedade.

Mas gostei do poema, sobretudo, da sonoridade de "gladíolo". Gosto muito mais do som da palavra do que da flor. [Lembro-me dela nos arranjos florais fúnebres, provavelmente, no meio de tantas outras, que exalam aquele aroma típico.]

Tem uma musicalidade clássica, não sei...

g l a D Í_____ o l o......

P.S.: Tenho andado sem net e sem tempo...

Frioleiras disse...

Gladíolos.... a minha Mãe gostava muito, costumava enfeitar a sala de estar com grande jarra de gladíolos liláses.... porque o creton das almofadas, dos reposteiros e do paneau sobre a camilha tinham essa flor sobre um fundo cor de grão.
Eram lindas as decorações de Páscoa, no começo da Primavera. Comemorava-se muito.... a Páscoa, lá em casa,
então.

casa de passe disse...

a velhice estraga o negócio.

e os gladíolos, nele, são tristes.

Nana Lopes disse...

Muito interessante,nao conhecia...pesquisarei mais.Valeu pela dica!!

Miosotis disse...

Um irresistível e belo desejo, 'Herético'!

Infindáveis aromas, as flores e os afectos!
Prefiro as gardénias! Levam-me a Billie Holiday!

Meu silêncio foi longo... perdoa! Sabes o que me tem mantido afastada...

Sensibilizada pelos teus olhares atentos em 'fragmentos'!

Bom domingo!

*Não sei... mas tive a sensação que estás mais 'afectivo', hoje!?

Maria Laura disse...

Se chegar a velha, quero ser apaixonada pela vida. Muito mais do que sou hoje.
Um bonito poema.

jawaa disse...

Plantar gladíolos - estamos na época certa - talvez uma boa solução para combater a iliteracia.
É o que se vai fazendo por aqui.
Que belo poema!
Obrigada por todas as palavras.

Sophiamar disse...

Sabes, aqui que ninguém nos ouve, a poesia é o oxigénio que alimenta esta que te escreve. A poesia e o mar. A poesia, o mar, os sonhos, a família e os amigos. Estes são flores. Tu és um dos gladíolos do meu mar.Um gladíolo branco sobre azul.

Beijinhossss

Bom domingo!

Kalinka disse...

Os gladíolos são tãoooooo bonitos!

Por aqui já anoiteceu...e, rapidamente termina o fim de semana, como sempre...a voar!!!

Vim sorrateiramente convidar para espreitar o meu kalinka, acabei de responder a um desafio sobre cinema e...há muito a dizer, deixo apenas um pequeno apontamento:
SOBRE O FILME: O PIANO
Toca-me como se a minha pele fossem as teclas do piano.
Toca-me numa melodia única.
Toca o meu sexo com os tons de maresia e os meus seios com os tons de jazz.
Toca as minhas coxas entreabertas em portas de sedução
Toca os meus lábios em acordes de paixão.
ADOREI ESTE FILME.

isabel mendes ferreira disse...

o desejo de "florescer".



________________chegando.



_________________,piano.

Stella Nijinsky disse...

Oi Herético,

Como todos os outros leitores, adorei o poema,
principalmente porque é cheio de sabedoria!

Stella

Oliver Pickwick disse...

Como na velha canção: "pra não dizer que não falei de flores".
Abraços!