domingo, março 09, 2008

Uma história perversa...

Gosto de histórias perversas. Ou se quiserem de histórias sublimes, arrancadas ao luto da história, ou decifradas nas regiões ocultas do coração humano, malditas tantas vezes, sofridas como gestos luminosos, sublimando o tempo futuro... E, nelas, a Mulher, exorcista do amor e transgressora da norma e dos poderes masculinos...

Tantas vezes pela morte redentora ...

Ora, escutem “ la Lai d´Ignaure”, a história da vida e da morte de um cavaleiro medieval e de seus amores.

Ignaure vive no castelo de Riol e apaixona-se por dozes senhoras casadas que também aí moravam, com seus maridos. Amor correspondido por todas elas em segredo. Certo dia, as damas resolveram jogar a um jogo e escolheram uma, entre as dozes, para fazer de padre a quem as restantes confessarão o nome do amante secreto. Uma após outra, pronunciaram o nome do seu amado e todas nomeiam Ignaure.

Descoberta a identidade do único amante secreto, as damas da corte decidem vingar seu amor e preparam uma armadilha para Ignaure. Todas concordam em participar no que se advinha vir a ser uma vingança cruel e sangrenta. Por fim chega o dia em que Ignaure cai na armadilha e é cercado por doze mulheres em fúria, empunhado facas afiadas.

Porém graças ao seu belo porte e à sua inteligência, Ignaure consegue escapar da morte. Primeiro, confessa amar de igual modo cada uma das doze damas e depois aceita escolher apenas uma delas. Ignaure escolhe a que fez de padre, a mesma a propor o desfecho para o dilema.

Pouco tempo depois, um espião da castelão descobre o segredo de Ignaure e conta a história aos maridos que, por seu turno, decidem levar a cabo a sus própria vingança. Um dia os maridos surpreendem Ignaure com a dama que escolhera e prendem-no numa cela do castelo. Após deliberação entre eles, os maridos decidem cozinhar servir às esposas o coração e o pénis de Ignaure.

Ao saberem do trágico destino de Ignaure, as mulheres, na sua dor, recusaram-se a comer daí em diante e acabam por morrer, balbuciando o doce nome de Ignaure”.

in “História Perversa do Coração Humano “ - Milad Doueihi – Ed. Terramar
............................................................................................................................

Cuidado, minhas amigas, não deixem os vossos queridos maridos (ou namorados) atreverem-se na cozinha... Sabe-se lá o que poderão comer... rsss

Boa semana! Espero que se divirtam...

(Mas porque estranha heresia me lembrei eu desta história por ocasião do Dia Internacional de Mulher?!..)

19 comentários:

um Ar de disse...

Que história estranha!...
Não conhecia.

Acaba mesmo mal.
Os maridos ficam sem as mulheres.
O amante é morto, cozinhado e ninguém prova a iguaria.
E as amantes morrem de amor e de fome...

Resta a pergunta, meramente especulativa: e se os maridos tivessem conseguido convencê-las a comer o amante?

Mas não. Elas não amavam os maridos. Amavam Ignaure...

Foi um "amor de perdição"...

[BEIJO]

hfm disse...

quase um voo surrealista - como certas vidas, de mulheres.

isabel mendes ferreira disse...

heresia. mesmo. no dia mundial das?????

hum hum hum-.


mas gostei.,


mesmo.



boa tarde....

"herege"...:)

Graça Pires disse...

Não há nada mais perverso que uma mulher perversa. E se forem doze... Adorei a história.
Um abraço

M. disse...

Realmente, que mente a tua! E logo num dia destes!...

herético disse...

um ar de...

boa questão a tua.

quer-me parecer que, na hipótese que levantas, regressaria a "ordem" ao castelo...

(não é isso afinal o que os maridos pretendem?!...)

Justine disse...

Isto não é uma história, é uma autêntica tragédia grega!!
Que desperdício de gente boa só por causa de maridos sem sentido de humor...:))

mariadosol disse...

amuei...

Maria Laura disse...

Que coisa! Afinal concluimos que as mulheres são uns "coraçõezinhos de manteiga" e perdoam tudo aos charmosos amantes. E os maridos estragam todo o encanto sublime da história... :)) Com a óbvia falta de sentido de humor, já aqui notada.
Digamos que me parece natural a recusa delas em comer para o resto da vida... :))

Outonodesconhecido disse...

Bem, direi o memso porque te lembraste? terás 12 amantes e temesa tua vida, tens mulher e não sabes de existe algum Ignaure? (desculpa foi uma brincadeirinha!!!!)
O motivo naõ interessa, a história é gira.
Boa noite

Sophiamar disse...

Uma história terror no dia Internacional da Mulher.Afinal as doze mulheres teriam gostado do pitéu? Ai, que horror, herege.

Beijinhossss

Mar Arável disse...

GOSTEI - BELO

ATÉ PORQUE ESTOU VIVO

PARA CONTAR

Frioleiras disse...

mudaste de estilo!!!

Carla disse...

gostei da perversidade desta história, lamento apenas que Ignaure não tenha tido capacidade para ludibriar os maridos ofendidos...mas aí não seria uma história arrancada ao luto da história...teria um final feliz???
não creio, 12 mulheres a partilharem...não creio

pessoana disse...

No final seis homens mataram os outros seis e comeram-nos. E depois um dos três sobreviventes matou os outros dois e comeu-os.
Depois também esse morreu.
Por falta de amor próprio.
Claro!

nós disse...

adoro estórias de amor.

aquilária disse...

ora, ora, herético! essa história foi inventada por um homem! :) porque eu acho que as doze mulheres se haviam de entender, depois de ponderar prós e contras do facto de terem ignaure como amante e, prevendo que algum dos maridos acabaria por desconfiar de que "alguma coisa" se passava,planeariam a morte deles (um de cada vez, é claro, e sempre em circunstâncias diferentes, para não levantar suspeitas). depois, cozinhariam coração e pénis de cada marido e convidariam as outras onze - e ignore, claro está - para uma ceia iluminada por doze gigantescos candelabros.
e passariam a ter uma vida faustosa, devido aos bens deixados pelo defunto.

© Piedade Araújo Sol disse...

surrealismo puro...

mas, se analisarmos bem, até que é estranha esta historia (será?).

beij

aquilária disse...

tss tss. estive a rever a minha versão da história e detectei uma gralha (na 5ª linha, a contar do fim):
em vez de - e ignore, claro está -é - e ignaure, claro está -

abraço