sexta-feira, setembro 19, 2008

Tecendo as cores...

Nada.

Apenas o Poeta na paisagem
E a majestosa gralha
Cuidando as penas depois da chuva.
Breve...

E o caprichoso melro circular
Em voo trinado
Assediando a árvore
E o sol ligeiro.

(Por certo o beijo...)

Apenas o melro e a gralha...
No céu...

E o anjo negro cavalgando a nuvem.

Assim eu descendo na asa do milagre
Sem outra grandeza ou glória
Ou outro instante de lume...

Apenas
A repentina gralha
E o voo do pássaro
Ou a neutra rosa
Afadigando-se em ser...

Talvez apenas o Poeta
Tecendo as cores da árvore
Na gravura da paisagem...


.......................................................

Bom fim de semana! Até breve...

Beijos e Abraços

29 comentários:

São disse...

O anjo negro que cavalga a nuvem...
Bravo pelo poema!
Bom fim de semana.

Maria disse...

Por certo o beijo.
Bonito poema...

Bom fim de semana
Beijos

casa de passe disse...

Amigo do peito!

Não consegue dar um forazinho daí de casa , deixa a sua patroa e vem até cá beber um abssintozinho com a malta?

(Loulou+Nini+Alice sem o Avô e sem o safado do João)

Maria Laura disse...

Visão larga sobre a paisagem de que vais tecendo as cores. Cores belas, as das tuas palavras.
Por certo, o (meu) beijo.

Um Certo Olhar disse...

Com os seus poemas até a lua tem outro brilho.Melro e gralha ao luar.
Um certo olhar.
beijinhos

Marinha de Allegue disse...

Cores que se construen...

Gustoume.

Beijinhos de cores.
:)

um Ar de disse...

... "E o anjo negro"...
Perceber como
tecer as cores
com tal anjo
negro
negro
Talvez a esperança
Talvez o milagre
Talvez Nada
Apenas
Neutra rosa
Sol ligeiro
.
Mas
... Anjo negro...
[? Beijo ?]

Dona Sra. Urtigão disse...

Lindo, tão lindo que até desperta uma certa inveja...quisera eu...

mdsol disse...

eu gosto dos teus poemas!
:))

jasmimdomeuquintal disse...

Vim apenas dizer olá e desejar um feliz domingo.

obrigada pelas visita neste meu período de reclusão.
Até breve!

Peter disse...

Gostei dos versos: corvos e gralhas,algo diferente dos poemas melosos que leio por aí.

~pi disse...

(( a meia-asa-a-voar





beijo





~

Oliver Pickwick disse...

Teceste muito bem. De igual modo àquelas velhas e românticas máquinas industriais da China, do tempo de Mao. Ultrapassadas e de baixa produção, porém, geradoras de um grande número de empregos. O velho Mao resistia em substituí-las.
O comunismo teve seus bons momentos.
Um abraço!

Frioleiras disse...

poemas...poesia

num Domingo!

Mar Arável disse...

E assim subiste ao poema

abraço

Maria P. disse...

«Por certo o beijo»

Até breve...

batista disse...

vai-se a nuvem, fica o anjo. vai-se o claro do dia, fica o negro da noite, a ressaltar uma ou outra estrela... mas há tanto a ser cuidado! – uma gralha, um melro, o fogo a não se apagar... toca a cuidar da Vida, Poeta! – que daqui, desse outro lado do mar, segue um abraço fraterno.

Graça Pires disse...

Construtor de pássaros e de voos .
Um abraço.

Véu de Maya disse...

O ar, o voo, a liberdade e a poesia,em rasgos de inspiração frementes...

abraços

SILÊNCIO CULPADO disse...

Herético

Belissímo poema.

"Assim eu descendo na asa do milagre
Sem outra grandeza ou glória
Ou outro instante de lume..."
Sublime.

Abraço

tulipa disse...

Divulgar:
Não abastecer os veículos durante o próximo sábado é a forma de luta que a associação de defesa do consumidor Deco está a promover contra o preço dos combustíveis. O protesto ocorre depois de, nas últimas semanas, as petrolíferas terem sido acusadas de não reflectirem nos preços a descida das cotações do crude.

Com a campanha
“Preços dos Combustíveis:
assim não!
Sábado 27:
não se esqueça, não abasteça”...

FIZ UM POST
SOBRE A CHEGADA DO OUTONO
NOSTALGIA é o título.

Carla disse...

a poesia tecida em cores e com o suave canto dos pássaros!
lindo
beijos

São disse...

Vim só reler...
Fica bem.

Nilson Barcelli disse...

"Assim eu descendo na asa do milagre
Sem outra grandeza ou glória
Ou outro instante de lume..."

Mas é descendo na asa do milagra que fazes excelentes poemas.
Excelente, como sempre.

Abraço.

jawaa disse...

Sinto-me tão bem, a voar na tua poesia...
Um abraço

Licínia Quitério disse...

Em crescendo...

Stella Nijinsky disse...

Olá Heretico,

Venho à poesia que me tenho recusado a encher a cabeça com lixo (leia-se política).
Não poderá ser para sempre, não nos podemos esconder do que nos rodeia, mas temporariamente...


Assim como este poeta, aquele pintor rodeado da beleza das cores naturais.

Temos vindo a desumanizar-nos, com os vícios e o barulho.

Beijo

Stella

Tinta Azul disse...

Beijos e abraços :)

M. disse...

Já tinha aqui estado mas não deixei mensagem. Hoje regressei para te reler e dizer que voltei a gostar muito.