quinta-feira, novembro 20, 2008

Fernando Pessoa - um inédito.

“Gosto do céu porque não creio que elle seja infinito. Que pode ter comigo o que não começa nem acaba? Não creio no infinito, não creio na eternidade.

Creio que o espaço começa numa parte e numa parte acaba E que agora e antes d'isso ha absolutamente nada.

Creio que o tempo tem um princípio e tem um fim,
E que antes e depois d'isso não havia tempo.
Porque ha de ser isto falso? Falso é fallar de infinitos
Como se soubéssemos o que são de os podermos entender. Não: tudo é uma quantidade de cousas.

Tudo é definido, tudo é limitado, tudo é cousa”.


Alberto Caeiro

In – “Razão Activa” - Nov./08 – Boletim da Fundação Internacional Racionalista
....................................................................

Bom fim-de-semana...
Vou ali, já venho! Breve, breve...

Beijos e abraços

25 comentários:

Véu de Maya disse...

meu caro herético...

a metafísica das coisas talvez seja a de abolir, melhorando-as...
é a mensagem do F. Pessoa...e aquilo sempre quando tocas em algo...Perfeito.

abraços

Véu de Maya disse...

errata:

...e aqulo que sempre fazes quando tocas em algo...Perfeito.
:)

margarida já muito desfolhada disse...

se não é assim, podia ser.

vida de vidro disse...

E, assim de repente, os poemas de esperança deram lugar a um poema tão racional... Alberto Caeiro, de que muito gosto, mas que falha aqui aquele panteísmo, aquele apego às sensações e só a elas que faz com que afinal existam coisas infinitas. Isto digo eu que não sou nenhuma especialista. E por aqui me fico... :)**

Maria disse...

Muito oportuno! E perfeito!
Bom fim-de-semana

Beijos
e beijos

mdsol disse...

Bom fim de semana!
:)

jrd disse...

Só acredito mesmo na "Eternidade e um dia"...

Oliver Pickwick disse...

No poema, há conceitos já superados pela Física avançada. Mas, nem por isso ele é menos belo. No mais, como se diz por aqui: o que vale é a intenção.
Um abraço!

Licínia Quitério disse...

Tenho lido, sem comentar. Tenho gostado muito.

U beijinho.

São disse...

Gostei do poema, como não poderia deixar de ser.

Espero que a ausência seja mesmo rápida e por uma boa causa.

Bom fim de semana.

© Piedade Araújo Sol disse...

passei, li, e desejo bom fim de semana.

beij

rosasiventos disse...

a nossa escala

é tão

tão pequenina!



*

O Jacaré 007 disse...

Perfeito caro companheiro de jornada.
Tu que és sabedor e paciente procura p. f. um poema do mesmo mestre que fala sobre o rio da sua terra e publica-o. É sublime, sei que existe mas não consigo encontrá-lo.

um Ar de disse...

Somos tão mortais
quanto a borboleta
Mas pensamos
enquanto existimos
Por isso,
talvez, por isso...
a eternidade
e o infinito
nos façam lembrar
o tempo
e o espaço
Talvez, por isso...
a duração
e a extensão
e sempre
a vida
e a morte.
.
[Beijo, enquanto somos e estamos]

Graça Pires disse...

"tudo é uma quantidade de cousas"... A arca de Pessoa é inesgotável... Um abraço.

J.T.Parreira disse...

Perdoem-me, mas parece que este verso está deficientemente fixado( ver o diálogo Campos-Pessoa da Teresa Rita Lopes):"Como se soubéssemos o que são de os podermos entender." Não se entende.

Hapi disse...

Apesar de nao concordar com Fernando Pessoa em muitas coisas, adoro os seus poemas!
E este é muito bom!

:)

Tinta Azul disse...

:))
comecei

:))
acabei

infinitamente[?] sorridente.

éme. disse...

Tudo é limitado... menos a vontade que se teima viva.
:)
Grata, gratíssima, por este Caeiro que bem me soube...
(a propósito d'Isto: em Março, caro Herético, terá de dar um salto a Coimbra!)

Miosotis disse...

... a visão de um Caeiro 'revisitado', sempre belo! Não importam os conceitos...

Sensibilizada pelo olhar em 'fragmentos'!

Um beijo

~pi disse...

como seria

belo

ser inteiro

neste acidente

de

ser :)




beijo



~

O Puma disse...

Também por tudo o que foi dito

o caso BPM não pode ser

uma nova casa pia

M. disse...

Belíssimo

Para mim,Pessoa via para além das coisas,numa perspectiva quase futurista e era de uma lucidez e coerência espantosas. Acreditava no que dizia simplesmente.

Muito bem.. fizeste as malas outra vez? Inté

Beijos

tulipa disse...

Não há nada mais fascinante e cativante do que conhecer in loco novas culturas.
Assim o fiz mais uma vez.
Sou uma privilegiada, Deus tem sido meu Amigo por me proporcionar momentos tão magníficos.
Consegui realizar mais um sonho na minha vida.

Noutras áreas a coisa não corre muito bem, mas a Esperança é a última a morrer, continuo diariamente na luta por aquilo que quero, hei-de conseguir.

Boa semana.

Também regresso HOJE depois de 12 dias ausente.

Venho agradecer-lhe a sua visita e deixar-lhe um beijinho.

batista disse...

a tua "palavra inóspita" incendeia a finitude dos presentes versos. de todo modo, é sempre bom abrir janelas, perceber as coisas por infinitos ângulos.
um abraço fraterno.