quinta-feira, fevereiro 26, 2009

Perfume de alfazema...

Arde no ar perfume antigo de alfazema
E o fio dos dias suspendo agora. Apenas
A festiva azáfama. E o corredor do tempo.
E as maçãs emolduradas. Gostosas uvas
Bago a bago. E o riso nas bocas pregoeiras ...

Outonais os dias agora embalsamados
Nas colchas domingueiras sobre a cama.
E a linha do corpo debruada por meus dedos
Vazios desta ausência. E os seios. Tão tenros
Que ainda queimam. Açucenas sobre o feno...

A saia agora é vórtice. Esplendor na relva
Voando que corpo se inflama ainda.
O mar é o joelho. E absoluto o barco
Singrando em meus olhos façanhas pioneiras.
Cavaleiro imaculado na chama dessa aurora ...

Chama e flor. Pois que em ti declino o lume
Dos dias e o tempo de outras margens.
Mosto antigo me consome. Ou miragem
Sobre mim descendo. Que a montanha agora
Se aplana. E o vinho bálsamo em cada trago.

31 comentários:

São disse...

Que poesia mais gostosa ...
Para quando o livro?
Um abraço.

Maria disse...

Nem sei o que dizer...
Quente, lindo, sensual, belo... sei lá...

Beijos e mais beijos!

Vieira Calado disse...

Olá, amigo!

Passei para ler as novidades e

deixar um abraço.

Oliver Pickwick disse...

É, meu velho, a sua poesia é como o bom vinho, quando mais amadurece, melhora. Puro virtuosismo.
Um abraço!

M. disse...

Chamar-te eclético é fazer-te um elogio.

jrd disse...

Feliz da poesia pela qual dobram as tuas palavras.
Belíssimo

Tinta Azul disse...

Cavaleiro imaculado na chama dessa aurora ...

Cavaleiro das palavras tão bem "cavalgadas" na aurora do poema.


:)

Licínia Quitério disse...

Perfumes antigos que ainda nos sustentam na fermentação dos dias.

Bonito, Poeta.

Um beijo.

Cata-Vento disse...

Que delícia! De crescer água na boca! Leio, degusto as palavras deste sujeito poético que tanto seduz os leitores.Deveria ser publicado em livro.
O perfume de alfazema tem poderes especiais!

Beijos

mdsol disse...

Muito bem se escreve por estes lados!
:)))

Mar Arável disse...

Que belo perfume intemporal

se respira nas tuas palavras

Brotam cristalinas

assim como bebe na fonte

Inesgotável poeta

Abraço

mundo azul disse...

_______________________________

Seus poemas são muito bonitos!

É um prazer passar por aqui...

Beijos de luz e um domingo feliz!!!

__________________________________

C Valente disse...

belo poema
saudações amigas e bom domingo

Frioleiras disse...

um cheiro a verde... a relva e a mudança...................

bjnh Herético !

triliti star disse...

perfume de alfazema...
que, me lembro, havia em casa de minha avó. nas gavetas. nas roupas. há muito que não o sinto. suave.

obrigado por mo recordares.

© Piedade Araújo Sol disse...

POEMA em letra grande. tão rico de palavras e muito bem escrito.

beij

M. disse...

Estamos nostálgicos Herético?

Beijo

OrCa disse...

Há lá coisa mais apaladada do que o sentir tão intensamente o que apetece?

Vá lá, já vão aparecendo mais a pedir a mais que justificada publicação em livro... ;-»

Um abraço.

isabel mendes ferreira disse...

mais de flor que de chama ou mais de chama que de plantas assim se vai plantando o Poeta!


.





abraço.

jawaa disse...

Mal saiu o carnaval, já em plena primavera...
Um abraço

Graça Pires disse...

O perfume da açucena. O sabor do vinho. A paisagem de um corpo. A magia das palavras. Muito belo.
Um abraço.

Peter disse...

"Esplendor na relva", título dum filme que fez furor nos meus tempos de rapaz.

Os versos?

Maravilhosos, como sempre.

dona tela disse...

Por aqui aprendo muitas palavras caras. E eu que gosto tanto...

O que é "singrando"?

Maria P. disse...

Que perfume...

Beijinho*

Diogo disse...

O objectivo principal do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau não era o de manter prisioneiros como força de trabalho (casos de Auschwitz I e III) mas sim de exterminá-los.

Os prisioneiros eram trazidos de comboio de toda a Europa ocupada pelos alemães, chegando a Auschwitz-Birkenau diariamente. Na chegada ao campo, os prisioneiros eram separados em dois grandes grupos –aqueles marcados para a exterminação imediata, e os que fiavam registados como prisioneiros. O primeiro grupo, cerca de três quartos do total, era levado para as câmaras de gás de Auschwitz-Birkenau em questão de horas; este grupo incluía todas as crianças, todas as mulheres com crianças, todos os idosos, e todos aqueles que, após uma breve e superficial inspecção pelo pessoal das SS, não se mostravam em condições de trabalhar.

Contudo, viviam crianças prisioneiras em Auschwitz e cerca de 700 crianças foram libertadas do campo de Auschwitz pelas tropas soviéticas em Janeiro de 1945.

O que poucos sabem é que existia uma maternidade em Auschwitz e uma parteira que ajudou a dar à luz 3,000 bebés.

Uma maternidade em Auschwitz

Arabica disse...

Gosto sempre muito de te ler.


Mas em Poesia, gosto sempre ainda mais.


Tanto!


Beijo, boa semana

~pi disse...

esplendor na relva e vinho

cama

e

flor

( e beleza-pura :)



beijo



~

mariab disse...

tenho andado um pouco afastada dos blogs amigos e tinha-me escapado este poema de um Outono nostálgico e muito belo. um outono com perfume de Primavera.
beijos

Véu de Maya disse...

bravo este teu sentir poético tão primordial deretorno ás raizes...belíssimo.

abraços

Véu de Maya disse...

errata:

de retorno ás raízes.

Véu de Maya disse...

bravo este teu sentir poético tão primordial deretorno ás raizes...belíssimo.

abraços