domingo, agosto 16, 2009

ROMANCE DAS MULHERES DE LISBOA NO REGRESSO DAS PRAIAS

Em terra, tantas gaivotas!
Mas que cedo que anoitece!
De automóveis sem capota,
como de conchas abertas,
saís vós, as pressurosas
deusas nos meses de estio,
favoritas do iodo
e dos cavalos-marinhos,
tontas cortesãs do Sol
que de bronze vos vestiu ...

Em terra, tantas gaivotas!
Vultos, sombras, calafrios ...

O que fostes não mais volta:
é diverso cada estio ...
Státuas de sàl e de sol,
o molde ficou perdido
nas areias e nas rochas,
todo cuspido de limos,
(... )
O que fostes já não volta,
ó efémeras Anfitrites!

Para quantas, dentre vós,
foi este o último estio?
(...)

Éreis estátuas de sal
e de sol, mas não soubestes
oiro e espuma eternizar.
Ai que cedo que anoitece!
Das sombras do litoral,
uma galopada investe
para vos arrebatar!
Rompem num choro as sereias
dos barcos supliciados.
Em vão cerrais as orelhas
aos brados que o temporal
contra vós desencadeia!

Em terra, tantas gaivotas!

Oh, que cedo que anoitece!
De comboios e ferry-boats,
como de estranhas galeras,
ressurgis para os encontros,
os cinemas, o comércio,
os funerais, as visitas...
E nos quartos de aluguer,
ou nos de vossos maridos,
ardereis, míseros restos,
até ficar derretido
todo esse bronze de empréstimo"!...


David Mourão-Ferreira – in “Obra Poética” - Editorial Presença
.......................................................

Uffff....que calor!
Carpe diem, que o Verão é um ar que lhe dá...

(e vêm aí as eleições, que vão dar que pensar ... rss)

17 comentários:

rosasiventos disse...

ai poema urbano

de maçãs e sol

[ alma escura-escura

corpo antes assim,

[ de áfricas no meio,




beijo

hfm disse...

Da fina ironia, a que mais gosto!

Isamar disse...

Um poema lindíssimo do meu muito querido professor. As suas aulas, a sua voz, a sua disponibilidade são inesquecíveis para aqueles que tiveram o privilégio de o ouvir, de lhe falar, de partilhar o seu quotidiano académico.A sua obra libertou-o da lei da morte. Um grande ser humano e um lindíssimo homem.

Bem-hajas, amigo!

Quanto às eleições, estou atenta e já pensei em quem vou votar.Há muitooooo!

Paula Raposo disse...

Sempre magnífico DMF!! Beijos.

Branca disse...

Adoro David Mourão-Ferreira!

Que a semana lhe traga muitas alegrias...bjo.

Licínia Quitério disse...

Parece simples, não é?

Obrigada.

Beijinho.

© Piedade Araújo Sol disse...

lol

gostei do poste.

as eleiçoes?????

ups!

beij

São disse...

Sim, gozemos o Sol antes das tempestades eleitorais que nos vão fustigar...

Uma feliz semana.

dona tela disse...

Desculpe a ausência, mas este calor...

Graça Pimentel disse...

Eu não faço praia e, aqui no Porto está uma temperatura bem boa (que para mim significa pouco alta). Mas esta temperatura vai subir q.b. em Setembro e Outubro embora eu não faça tenções de me incomodar com o que não vale a pena.

beijo

~pi disse...

o sol como a lua

o último sol

para alguns

[ inclinadamente

sim

inclinadamente

revi

o meu livro,





beijo






~

Sophiamar disse...

"O que fostes não mais volta:
é diverso cada estio ...
Státuas de sàl e de sol,
o molde ficou perdido
nas areias e nas rochas,
todo cuspido de limos,
(... )"

Cuidado com o Sol! O bronze está fora de moda.

Beijos

MagyMay disse...

Boa escolha, do poeta e do poema...eu gostei!
Deste calorzinho é que não gosto lá muito...enfim

vida de vidro disse...

Deliciosa ironia neste olhar de DMF sobre o "postiço" do verão. Um post muito oportuno (como sempre!). **

mariab disse...

Extremamente lúcido. E como é, de facto, efémero, o Verão e os seus efeitos! Uma excelente ideia, trazer aqui este poema.
Beijo

Mar Arável disse...

O nosso David

sempre

e cedo

a noite

anoitece

Abraço

Maria P. disse...

Gostei...:)

Beijinho*