domingo, janeiro 31, 2010

Sangue virginal dos dias....

Que os braços sejam árvores
E as raízes o coração de todas as auroras.

Que a macerada espera seja a destilação do tempo...

Que os claustros impludam em trovão e raiva
E as palavras se estilhacem
E sejam lume e flâmula e se libertem
No timbre das bigornas...

Que as espessas dores do mundo
Se façam aço e lâmina e queimem
E em espasmos se iluminem
E dancem no labor dos homens...

Que a calcinada esperança onde me perco
Seja ternura na boca da fome
E se derrame e se faça seiva e lavra...

E os leitos sejam o sangue virginal dos dias...

24 comentários:

Mar Arável disse...

Que se libertem os braços

das árvores

contra todas as sombras

Abraço poeta amigo

Maria disse...

Que a raiva seja libertadora
finalmente

Beijos

Paula Raposo disse...

Adorei!!!Adorei!!
Beijos.

hfm disse...

"Que a macerada espera seja a destilação do tempo..." como eu gostaria de ter escrito isto! Um abraço.

pessoana disse...

Gosto do estilhaçar das tuas palavras.
Obrigada pelas tuas visitas.
Fazem-me rir.

Frioleiras disse...

as árvores.........
as raizes.........

e eu
adoro-as

e à tua poesia

sobre
e
com

elas........

jrd disse...

Ah Poeta, Que grande poema!
Que a esperança nasça de novo, inteira.
Abraços

alice disse...

que assim seja, herético.
um beijo.

maré disse...

que seja breve

o rostolho dos dias.

e das auroras

se libertem asas.

que rebente no fragor da boca

o ribombar da esperança.


____

um abraço

arabica disse...

Que se libertem
os virginais sangues
da ditadura do leito.

ABraço.

São disse...

Ainda querem que eu publique os meus poemas? Mas depois de ler isto, cadê coragem?

Boa semana.

lino disse...

Excelente poema.
Abraço

MagyMay disse...

E que gritos... e que gritem!!!!!

Beijo

Maria Clarinda disse...

Maravilha de poema! Adorei.
Jhs

maria manuel disse...

«Que as espessas dores do mundo» possam dar lugar à esperança, ao trabalho em prol de novos dias, novos amanheceres. belo poema de esperança e incentivo.

abraço.

~pi disse...

e sajam água corrente

de tardes

aqui,





beijo






~

Licínia Quitério disse...

Que assim seja! Um poema que é um grito de raiva e, no entanto, de dolorida esperança.

Um grande abraço.

Nilson Barcelli disse...

Belíssimo poema, caro amigo, gostei imenso das palavras e imagens poéticas.
Um abraço.

Menina Marota disse...

E o Poema nasceu...

Bj :-)))

.Lis disse...

.. também gostei daqui!
tenho uma certa paixão por poetas rsrs deve ter sido isso que me atraiu a deixar o comentário, bom pra mim rs já começo a ficar fã.
Ah essa poesia esta linda! ..."que as espessas dores do mundo se façam aço e lâmina e queimem."Gosto muito disso.
meu espaço é apenas pedacinhos que vou lendo e amando. Bom voce voltar.Espero.
abraços

mdsol disse...

:))

© Piedade Araújo Sol disse...

um belissimo poema, que apetece declamar.

esta simples frase acho que dá um bom titulo para um livro:

Que os braços sejam árvores

um bom fim de semana e um

beij

M. disse...

Um misto de raiva, de dor e esperança, o teu poema. Gostei.

Véu de Maya disse...

Que assim seja, meu caro...a bravura da poesia inteventiva. excelente.

abraços