domingo, fevereiro 28, 2010

Una nueva igualdad...

"El objetivo de una economía no es el beneficio, sino el bienestar de toda la población. El crecimiento económico no es un fin, sino un medio para dar vida a las sociedades buenas, humanas y justas. No importa como llamamos a los regímenes que buscan esa finalidad. Importa únicamente cómo y con qué prioridades podremos combinar las potencialidades del sector público y del sector privado en nuestras economías mixtas. Esa es la prioridad política más importarte del siglo XXI

Eric Hobsbawm en el Word Political Forum, realizado en Bosco Marengo (Alejandría) - 01.11.09

17 comentários:

lino disse...

O Eric Hobsbawm está carregado de razão, mas a maioria da população mundial que tem (ou julga que tem) alguma informação prefere meter a cabeça na areia.
Abraço

Mel de Carvalho disse...

Sou avessa ao conceito de igualdade. Prefiro falar de equidade: a cada um segundo a sua necessidade. No momento, na circunstância. Quando se igualiza, a meu ver, neutraliza-se aquilo em que somos potencialmente bons e, na economia, este é um factor decisivo de gerar mais valias.
Penso que Eric Hobsbawm, defensor acérrimo da tradição e da diferença, era exactamente de equidade que falava...

Sempre a apelar a que nos quedemos para reflectir socialmente, Heretico. Bem-haja por isso.

Fraterno abraço da Mel

Genny Xavier disse...

Herético,
É uma pena que os líderes e detentores do poder nem sempre desejem por em prática os conceitos forjados pela ética e pelas valorosas intenções de se construir um mundo igualitário e mais justo.
Que bom que existem pessoas como Eric Hobsbawm que defendem idéias e ideais tão justos e verdadeiros; que bom que existem pessoas como você que propagam e divulgam essas idéias.
Beijo,
Genny

Maria disse...

Começo por pedir desculpa pela minha ausência... mas, foram dias
extremamente dificieis para mim e sempre com os nervos à flor da pele.

Heis-me aqui novamente para visitar,ler e deliciar-me com a criatividade de todos.

Beijos.

Maria Valadas

Maria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Chris disse...

É sempre um prazer passar por aqui.
Resto de boa semana e obrigado pelas palavras.
Bj
Chris

Nilson Barcelli disse...

Parace fácil de tão óbvio...
É muito difícil não concordar com o autor.
Abraço.

Graça Pires disse...

Já sabíamos que os poetas eram uns líricos. Sabemos também que os historiadores também o são. Eric Hobsbawm tem toda a razão, mas quem se importa com isso?
Beijos.

mundo azul disse...

__________________________________

Sim...Acho que ele tem toda razão!


Beijos de luz e o meu carinho...

___________________________________

Maria P. disse...

E a realidade?!...

Beijos*

Mar Arável disse...

Palavras sábias
ditas e reditas por tantos outros

que no terreno das realidades
concretas distorcem os bons pensamentos.

Certo - pelo sonho é que vamos

OrCa disse...

Sábias, ainda que óbvias, palavras. Esta é a atitude que todo e qualquer cidadão de qualquer parte do mundo deveria exigir da sua classe política.

Este deveria ser, então, o padrão e paradigma de avaliação da acção de um político e do saldo apurado a sua manutenção ou afastamento.

Aproveitando o oportuno comentário de Mel de Carvalho, acrescentaria que a equidade promove a igualdade, pelo que fará sentido falar de «uma nova igualdade», porquanto a que existe está em grave estado de falência técnica.

E, neste contexto, ao Estado (e seus agentes), através das forças políticas, mas também da mobilização do cidadão comum, compete assumir o seu superior objectivo de regulador da sociedade, em vez de se assumir como parte interessada no negócio - qualquer que ele seja... - como tem vindo a ocorrer, com especial desplante, no Portugal do «centrão» (e não só, dir-se-ia).

Grande abraço.

jrd disse...

Pela utopia (possível) e pela esperança nos vamos.

Vieira Calado disse...

...e não há força que detenha

"o polvo unido"!

As notícias que nos vão chegando, são cada vez mais desanimadoras.

Até quando?


Um forte abraço

Licínia Quitério disse...

Combinação proritária sim, mas difícil...

Véu de Maya disse...

Nada mais simples e mais sério...se as políticas não imprimirem esse rumo ou algo similar ás economias, em vez de libertarem as pessoas e valorizarem os seus contributos sociais múltiplos acabam por gerar mais infelicidade...e mais escravidão e violência.

abraço

bettips disse...

Parece simples...mas invertem/subvertem tudo. Que cantem os poetas e que falem os sábios, que seja a nossa prática o espelho.
Abç