domingo, junho 06, 2010

Ballet no Camarote

A Suzette amava pequenoburguesmente o ballet!... ~

Sobre o estirador, Margot Fontaine e Ruldolf Neuryev, em grande cartaz e grande estilo, alimentavam a fantasia quotidiana da doce Suzette!... Se o "mito fala", como um tal Rolland Barthes teimou em afirmar, então o ballet constituía a pulsão mais secreta, a fantasia mais terna, o sonho mais colorido da doce Suzette! ...

Pela undécima vez, a Suzette se apropriou do Rapaz para, com olhos em alvo e coração devoto, lhe relatar o espectáculo de Paris, terminado sempre com a sacramental promessa:

- "Um dia levo-te ao ballet!"...

A doce Suzette era esguia e fina como vime, pronta a partir-se ao primeiro sopro!... Vista de trás a doce Suzette era apetecível. Formas, apesar de tudo, bem delineadas. Mas vista de frente a doce Suzette... meu Deus! – a Suzette não tinha outro encanto que não fosse a graça de ser mulher. Debaixo do camiseiro florido apenas uma breve sugestão de seios: aquilo que se chamávamos "uma tábua de engomar"! A minha ternura pela doce Suzette impede-me, porém, de vos descrever o rosto: algo de mitológico, entre uma equídea figura e uma ave de rapina! Imaginem...

No entanto, o Rapaz tivera sorte na geografia da distribuição dos lugares. Uma estrutura de madeira envidraçada, separava os "criativos" dos "gráficos", de forma que, da sua secretária, estava permanente em linha com a parte de trás do corpo de Suzette, balançando-se, perna a frente perna atrás, no trabalho minucioso do estirador (ainda não haviam computadores).

E, lá no alto, as figuras tutelares de Margot Fontaine e Ruldolf Neuryev!

Aqui, que ninguém nos ouve, o Rapaz confessa que, por mais que uma vez, se soltou do seu trabalho de "copywritter" para desfrutar, secretamente, a elegante ondulação daquele corpo na brisa do desejo...

Um dia, inesperadamente, a doce Suzette, numa euforia desusada, intimou-o :

- "No Sábado, vamos ao ballet! e não admito desculpas!..."

Foram. Sobrava espaço no elegante camarote do S. Luís. Enfim, o bruuua do momento - o espectáculo ia começar!... As luzes, lentamente, diminuíam de intensidade...

Em breve, as mãos do Rapaz, discretas, primeiro, ousadas depois, tomaram conta do doce corpo da doce Suzette. O arfar melodioso dos beijos de Suzette, prolongava as tonalidades da música de Tchaikovsky!...

Debruçada sobre o espaldar, no enlevo do bailado, em delírio estético-erótico, a doce Suzette oferecia-se, erguendo, até à cintura, o vestido de veludo vermelho. Que o Rapaz desfrutou como fauno sequioso, vindo dos confins da música...

E assim, suspensos sobre o infinito, fundindo-se na vibração da música e da dança, se amaram. E, ao menos dessa vez, se redimiram da alienação da publicidade! ...

Confesso-vos, que nunca houve "Quebra-Nozes" mais apreciado!
..............................................

Anos atrás, numa das últimas vezes que o Rapaz foi ao S. Luís, surpreendeu-se a olhar, da plateia, o camarote deserto, absorto, num sorriso irónico-nostálgico, de que foi acordado pela cotovelada da Mulher:

- "Por onde andará essa cabeça?!" – disse, fixando-lhe o olhar como que a ler-lhe a alma...

E, naquele instinto de leoa, que Rapaz tão bem conhece, sem outra palavra ou esperar resposta, a Mulher segurou-lhe a mão que manteve, quente, entre as suas, até ao final do espectáculo!...

19 comentários:

Maria disse...

Abençoado Quebra-Nozes.....
Sacaste-me um enorme sorriso! :)))

Beijos.

Rogério Pereira disse...

Até gostava de comentar isto...(mas não quero estragar, nem necessita ser valorizado. è bonito assim mesmo!)

Boa, meu!

Mar Arável disse...

Primoroso texto em viagem
por sonhos acordados

Uma delícia

Abraço amigo

lis disse...

heretico
Nao é atoa que dizem que a "beleza é uma meia dádiva ,a inteligência a dádiva inteira" .
A doce Suzette senao inteligente tinha bom gosto e foi "partir-se ao primeiro sopro ", num belo camarote ao som de um Tchaikosvky . Simples assim.rs
Parabéns pelo prazer desenhado.
Onde andará meu pensamento agora?
talvez nas manhãs com jornal e café partilhado.
abraços , amei esse ballet.

jrd disse...

Magnífico! Mas que "pas de deux"...
Abraço

Oliver Pickwick disse...

É surpreendente perceber que alguém que tenha dito por anos a fio - eu suponho - a famigerada expressão "data venia, meritíssimo...", escreva um texto tão sensível e de humor e ironia tão refinados.

"Vista de trás a doce Suzette era apetecível".
É por isso que os franceses inventaram a dança francesa, se é que me entende. :)

Um abraço!

lino disse...

Belo texto.
Abraço

hfm disse...

Lido e muito apreciado.

Nilson Barcelli disse...

Um belo mini-conto. De fino recorte como o ballet.
Gostei muito.
Boa semana, abraço.

maré disse...

O par de bailarinos era fabuloso.


confesso ter assistido a três "Quebra Nozes" e nunca me apercebi de tal "reboliço" nos camarotes.



eu também acautelaria, na evidencia desse olhar nostágico.

que texto delicioso!!!

deixo-lhe um beijo e um sorriso duradouro

escarlate.due disse...

eh la... isto hoje tem todos os ingredientes :)
ainda por cima adoro balet, aliás adoro música e dança

Fabrício Brandão disse...

Entre a lucidez e uma dose muito bem acertada de humor, um grande texto se desenha.

Bravo!

Abraços

Mel de Carvalho disse...

Humor e boa escrita. Nem sempre conseguido por muitos, aqui, neste trabalho de prosa, em doses iguais de excelente recorte.

Bem-haja pela partilha
Fraterno abraço
Mel

Fragmentos Culturais disse...

... deliciosa 'crónica' de sonhos adormecidos?!
:)
Uma narrativa deliciosa com doce trato estético-musical!

Beijo,

maria manuel disse...

breve conto de desejo e paixão. lindo o contexto desenrolar-se no durante o ballet. e lindo o final.

abraço.

Graça Pires disse...

Às vezes os "Quebra-Nozes" provocam reboliços assim... Um texto delicioso, cheio de cumplicidades.
Um beijo.

MagyMay disse...

Meu Rapaz, arrebaste pela excelência!
... escreve mais contos.
Cria!
...ou serei só eu que me encanto com uma boa fantasia!?

Beijo

gabriela r martins disse...

um recorte deliciosíssimo do mais puro (hu)mor..........




.
um beijo

Virgínia do Carmo disse...

Excelente exercício de escrita criativa... Obrigada...

Abraço