sexta-feira, junho 11, 2010

“The Secondlife” do Presidente...

Foi anunciado, com prestimosa cobertura mediática, que o Presidente da República aderiu aos deleites em moda das redes sociais, na sua requintada configuração em três dimensões, ou seja, a “Secondlife”.

Temos pois que, depois da saga do “Magalhães” e do deslumbramento do Primeiro-ministro perante as novas tecnologias, o Presidente da Republica se rendeu definitivamente aos prazeres da vida virtual...Uma banalidade, dir-me-ão. Não poderei estar mais de acordo. Mas a banalidade da notícia, não significa que seja uma notícia “inocente”!...

 Senão, vejamos... Em seu jeito manhoso (melhor se diria, "manholas"?), anda há meses o Presidente cultivando, como é seu timbre, o “tabu presidencial”, deixando cair, aqui e ali, sinais de um segredo de polichinelo, quer dizer, da sua mais que óbvia disposição de se candidatar a um segundo mandato...

Por esta vez, porventura, a última refinada “pérola” de semiologia política, congeminada pelos cérebros do Palácio de Belém – uma “segunda vida” presidencial de Cavaco Silva, em formato 3D. “Secondlife” - uma segunda vida, estão a topar?!...

Enfim, digno das melhores rábulas...Vejam lá quão moderno não é o nosso Presidente!...

Mas a atracção pelo virtual pode ter seus amargos de boca. É que – dizem os entendidos – nada mais anestesiante que o mundo virtual. E o nosso Presidente, na sua pulsão pela “Secondlife”, pode estar a confundir os mundos onde se move e, assim, a realidade fugir-lhe debaixo dos pés...

Porém, vendo bem, não acreditando eu que, no cadeirão de Belém, esteja sentado um inocente “Avatar”, nem que a democracia virtual, apesar dos seus cantos de sereia, tenha ganho definitivamente à democracia política, estou inclinado a presumir que o Presidente, mais que anestesiado pelos efeitos do mundo virtual, procure ele próprio ser agente dinâmico e interessado da anestesia geral do País...

De facto, que outro sentido dar ao seu discurso nas comemorações do “10 de Junho”  e aos seus ingentes apelos à coesão social e à concertação nas empresas entre patrões e trabalhadores?...

Claro que não há sociedade que resista à falta de coesão, nem soberania que perdure face ao definhamento económico e ao atraso estrutural... E que estaremos até numa “posição insustentável”, como o Presidente clama ter avisado oportunamente...

Mas de quem a responsabilidade? Da falta de concertação social? De irrealistas revindicações dos trabalhadores que, fundamentalmente, se têm limitado às recomendações da Organização Geral do Trabalho (OIT)?!...

Francamente, há aqui um equívoco. Se há responsável político, nas últimas décadas, mais tempo tenha exercido cargos determinantes para os destinos do País foi, sem dúvida, Cavaco Silva. Como primeiro-ministro em três legislaturas e, como Presidente da República, num mandato que já leva.Não pode, por isso, assobiar para o ar e, perante as dificuldades presentes, reclamar que avisou oportunamente...

Se o Presidente da República não é um “Avatar”, também não é propriamente um “treinador de bancada” (passe o futebolês) que mande uns “bitaites” sobre o expectável desastre do País. Se, em sua luminosa presciência, sabia o que nos esperava na profundidade e gravidade da crise, então porque o Presidente da República não interveio para a evitar, no quadro dos poderes que a Constituição da República lhe reserva...

Ou não terá ele sido eleito, sob o manto diáfano de “professor de Finanças” e o signo da “cooperação estratégica” com o Governo?... Como pode, assim, descartar responsabilidades no tamanho da crise?!...

Enfim, mais uma vez o “rei vai nu...”. Destino nosso!...

Quer o Presidente, como desígnio nacional, limpar Portugal. Ora aqui está um propósito que louvo, sem a mínima reserva....

Talvez começando por limpar o Pais (politicamente falando, está bom de ver) da casta que, nas últimas décadas nos tem (des)governado, dançando o vira ou o fado mandado e que, sob a batuta presidencial, parece agora ter-se rendido à licenciosidade do tango...

9 comentários:

hfm disse...

Texto enxuto e preciso sobre este desgoverno!

lino disse...

Se que limpar Portugal, que se mude para a Boca do Inferno e que leve o avatar do atira ovos do Super Mário (o do jogo).
Abraço

lis disse...

Heretico
em assuntos presidenciais nao vou me meter , até porque tenho aqui um caso talvez mais "banal" - um presidente que se vangloria ter chegado lá , sem ser preciso entender absolutamente de nada que se refere a cultura ou tecnologias e já vai correndo o segundo mandato com popularidade em alta.
Vai entender!!
periga de repetir aí o jeito manholas rsrs
abraços , fique bem

maré disse...

é claro que a inocente saga pelas
chagas do país, é missão de sacerdote...

é claro!!!
e até convém deixar claro que os rendimentos auferidos não são por aí além.

fico tristemente empalidecida
com a anemia que a memória vai denunciando...

___

abraço

Rogério Pereira disse...

Quando eu escrever bem, quero fazer um texto assim...

Hoje assino-me

"Um gajo humilde"

Vieira Calado disse...

Olá, boa noite, meu caro!

O meu computador pifou!

Estou num bar, em condições exíguas de tempo.

Desejo-lhe bom fim de semana.

Forte abraço

jrd disse...

Que belo texto, apesar do qualidade duvidosa do 'personagem'.
Abraço

Mel de Carvalho disse...

Um dia ainda vou descobrir interesse nas "redes sociais" - secondlife ou outra qualquer. Por agora, cada dia menos, acho importante tais mecanismos em detrimento da vida na vida real.
E se o pessoal ocupado em cultivar as "famervilles" se dedicasse a ajudar o vizinho do lado na pintura, no cultivo de uns baldios, etc., etc... sei lá, digo eu que sou uma "lírica" provinciana. E se, enquanto andam a coleccionar amigos virtuais, fossem dar uma ajudinha em lares, em creches, etc.? sei lá, digo eu, de novo, que sou uma sonhadora ...
valha-me a santa. tanta gente a morrer de fome, e os exemplos são estes? a 1ª vida já não vale nada, passemos à 2ª ... virtual.

Por estas e por outras é que, as pessoas, virá o dia em que terão um chip na orelha ...

Caríssimo Herético, vale a sua escrita, assertiva e pertinente, sobre este [des]governo sem parcimónia de meios. Agora "secondlife"...

Fraterno abraço
Mel

Maria disse...

Se ele precisar tenho uma vassoura ENORME que lhe posso emprestar...

:))

Beijo.