sábado, junho 02, 2012

PAUL ÉLUARD - Poema "Aviso"


"A noite que precedeu a sua morte
Foi a mais breve de toda a sua vida
Pensar que estava vivo ainda
Era um fogo no sangue até aos punhos
A sua força era tal que ele gemia

Foi quando atingia o fundo deste horror
Que o seu rosto num sorriso se lhe abriu
Não tinha apenas um único camarada
Mas sim milhões e milhões de camaradas

Para o vingarem sim bem o sabia
E então para ele ergue-se a alvorada..."

Paul Éluard

3 comentários:

Maria disse...

Respiro fundo outra vez...
e apenas te digo Obrigada por esta partilha!

Beijos.

Gisa disse...

E o dia se iluminou...
Um grande bj querido amigo

lino disse...

E vingá-lo-emos!
Abraço