terça-feira, julho 17, 2012

DE NOVO A MONTANHA...


De novo a montanha como gesto abrupto
Do silêncio íntimo. Percorro veredas d´ água
Subterrânea e o magma. E nesse fogo
Se condensam estalactites. Afectos agora
Evanescentes. Essências matriciais ainda...

Fecha-se o círculo. Em redor as brumas
E os rostos. E os cheiros. E esta pedra
Em que trôpego desfaleço. A febre quente.
E o suor frio. E o grito de alma que voa
Qual corrente. Veleiro sem regresso...

A vida? Esquivas corsas que de tão lestas
Se pressentem. E apenas no rasto se iluminam.
Fortuitas são as horas. Não o caçador negro
Nem o coração da pedra. Apenas a água
(E sal da lágrima) são lírios e são heras...

Guardo sôfrego este silêncio e me retiro.
O fogo é agora esta paixão: o eco de calcário.
E meus dedos brasa. Poeira e caliça. E muros
Derrubados. E esta centelha viva que na queda
Se derrama. Fim de tarde que ao sol se incendeia...












9 comentários:

Canto da Boca disse...

Um poema incendiário, cujas lavas voltam ao centro da montanha, desejo guardado de cada um...

Mar Arável disse...

Pelo que sei
e é tão pouco

na verdade não somos livres
sequestrados no paraíso

mas sempre as madrugadas
se incendeiam

Abraço poeta amigo

Licínia Quitério disse...

Este teu caminho longo feito agora também de saudade de um futuro em que o sol se derrame sobre os muros.
Assim te leio. Gostei muito, claro.

São disse...

Todos temos de subir a montanha, não é?

E isso exige esforço.

Um abraço

Maria disse...

É belo! Muito!
Beijos.

lino disse...

Mais um belíssimo poema!
Abraço

jrd disse...

Paisagem e deslumbramento.

abraço

lis disse...

O que mais gosto no heretico é a forma bonita de fazer poemas ,falar da vida efêmera , das brumas , dos veleiros e seus silêncios!
E, sempre impecável , se 'derramando' em mim, em nós ,como um 'fim de tarde'
Lindo heretico
Montanha essa que vale muito escalar.
Parabéns

Mel de Carvalho disse...

no caminho das pedras
na efemeridade telúrica da vida
são as palavras que nos perpetuam
além da carne da nossa carne, dos filhos e raízes que deixamos na vida


enorme a sua escrita! ENORME!

fraterno abraço
Mel