quinta-feira, maio 23, 2013

SEARA NOVA nº 1723 - Primavera 2013



Para além dos excelentes artigos
sobre a actualidade política e social,
 destaco o comovente poema de Eugénia Cunhal,
na secção "Momento de Poesia".
 
 

7 comentários:

heretico disse...

Peço desculpa pela moderação dos comentários. Confesso que me contraria...

Mas não tenho outra maneira de afastar "um" melga que teima em incomodar.

beijos e abraços

São disse...

Concordo contigo: o poema é de grande sentimento.


Compreendo-te: também tive que encerrar a opção Anónimo por causa de uma criatura muito interessada em mostrar(-me) a sua forte estupidez e maior cobardia,

Bons sonhos.

jorge esteves disse...

Vi-a, há dias, num sóbrio trabalho da Judite de Sousa. Permanece, inteira, aquela ternura pelo irmão.
Não li esta 'Seara', por isso te agradeço a leitura deste seu poema tão a propósito.
abraço.

jrd disse...

Chegar aqui e comover-me.
Belíssimo.
Abraço

M. disse...

Lindíssimo!

lis disse...

Poema que deixa a gente 'mexida' como falamos aqui,
simplesmente tocante, delicado,romântico...
gosto heretico

Lídia Borges disse...


Já mandei a minha inscrição! :)


Obrigada

Lídia