sábado, fevereiro 01, 2014

INVERTEBRADA ESCUTA...


Na clausura das coisas antes do acontecer
Agita-se secreta a vibração do sopro na busca
Prenunciada...

Não tempo ainda - nem o milagre.
Nem murmúrio sequer de crisálida.
Nem indicio...

Apenas a invertebrada escuta
Ou fagulha antes da fornalha...

Augúrio, acaso, ou fermento - porventura.
Tensão do arco apenas (ainda não seta)
E o esconso júbilo que se solta inesperado
E se liberta em bailado fremente
De tudo ou nada..


Talvez o iniciático sopro
Ou o devir esquivo
Rompendo em lugar estranho...
.............................................................
Assim o poeta desarmado
Ante a Palavra bafejada...


Manuel Veiga










12 comentários:

Ana Tapadas disse...

Ah...quanta verdade, neste belo poema...

bjs

jrd disse...

Belíssimo1
Quase...quase... A palavra vai soltar-se!

Abraço fraterno

Red Angel disse...

Arma-te então...

Afinal temos que estar sempre preparados para o "augúrio, acaso ou fermento..."

Maria João Brito de Sousa disse...

Assim, exactamente assim, nos sentimos perante a palavra poética... desarmados.
De súbito, é ela a arma, é ela quem fere e, simultaneamente, nos fornece razões para respirar, apesar de tudo...

Abraço!


Mar Arável disse...

Ainda nos belos relâmpagos

já vislumbro (?)

uma certa desordem
de cores nos jardins

Abraço sempre

Lídia Borges disse...


Da mais pequena fagulha pode despontar o maior incêndio.

Saudações

Lídia

Graça Sampaio disse...

Muito, muito bom!! Para além do encadeado das palavras e da suspensão que cada verso anuncia, gosto da fúria, da força, da agitação que tantas palavras em «f» transmitem.

Muito bom!

ॐ Shirley ॐ disse...

Num sopro, que se libertem as palavras enclausuradas...
Grande abraço, querido heretico!!!

quem és, que fazes aqui? disse...


"Invertebrada escuta...(...)/Tensão do arco apenas (ainda não seta)"

Para quê mais? Belíssimo!

Beijinho

lis disse...

Chega-me aqui um sussurro, um vestígio, 'bailado' que me encontra sempre 'desarmada'_fica difícil não me apaixonar pelos poetas.
Grande herético!

C Valente disse...

Ainda á coisas boas na vida
e a poesia nos encanta
Saudações amigas

© Piedade Araújo Sol disse...

ainda assim, acho que o Poeta. nunca está desarmado...

:)