terça-feira, maio 06, 2014

FRUTOS BREVES DE MEUS ENLEIOS...


Na linha de água de meu peito
Onde todos os afluentes se desatam
E todas as memórias se derramam.

Nesse fermente lugar
Onde todas as sedes germinam
E os ventos estivais se rasgam e se agitam
Em prenúncio de tempestades
Ou como serena mansidão de colheitas.


Na lonjura de meus olhos onde
Todos os estremos se apartam e o azul
Se desmancha como poeira dos caminhos.


No crepitar da rocha antes de ser casa
Ou muro, ou cal, ou poiso de cansaços
Ou voo de ave no delírio das montanhas
Ou sombra benigna ou fogo da palavra
Antes da combustão dos dedos.


No pináculo de meu sangue erecto
Onde os afectos escorrem
Como tálamo
E a febre se despenha
Fosforescente
Na fruição
Dos sentidos.


No bravio cardo de mim
E na solidão dos caminhos.
E nas encruzilhadas do tempo
E na glórias passageiras.


E nos espinhos.


Estendo o vazio de meus braços
Que os deuses ignoram
E recolho as dores da hora
E os frutos breves
De meus enleios.


Fugazes que sejam!...

 

Manuel Veiga

 

8 comentários:

Sónia M. disse...

Belíssimo!

Beijo

jrd disse...

Da paisagem agreste solta-se a ternura do poema.
Belíssimo!

Abraço Poeta

Rosa dos Ventos disse...

Fugazes, vorazes e deliciosos momentos!

Abraço

Lídia Borges disse...


Braços vazios, todavia abertos ao negro, à luz, à vida.

Um beijo

Graça Sampaio disse...

Belo de mais! Que mais há a dizer senão que é, de facto belo e sentido de mais?

Fala por si...

© Piedade Araújo Sol disse...

braços abertos ao desconhecido!

belíssimo!

:)

lis disse...

Lindo muito lindo!
'glórias passageiras'
que sejam ...
Em cada poema seus 'enleios' laços afetos afloram do lado de cá,
obrigada heretico

Mel de Carvalho disse...

indubitavelmente uma poesia a carecer de espaço em livro - justa e merecida, para leitura além das telas do blogoesfera.

caríssimo Manuel Veiga(Herético), gratidão por cada texto partilhado, por cada leitura - é um pensador por excelência, um poeta por condição; bem haja, pois.

fraterno abraço
Mel