terça-feira, abril 14, 2015

TENTANDO UM SONETO...


Sou assim hoje em festa vestido para vós
Na alegria de ler-vos, de quando em vez,
Como se viessem todas juntas de viés
As palavras em que partilhamos nossa voz...

Não cuido de jardins, mas amo as flores,
Cada uma em seu perfume diverso
Como letras batidas de qualquer verso
Que todas juntas me perdem de amores...

E do poema construído em cada sílaba
Da amizade fugaz (sei lá se para sempre)
Fique a harmonia e a emoção bem quente...

E em cada gesto de beleza murmurada
Desse “bouquet” da amizade, em suma,
Colha eu rosas e pétalas uma a uma...

Manuel Veiga

 


9 comentários:

Majo disse...

~
~ Manuel, o soneto ficou artisticamente primaveril.
expressivo, muito belo...

~ És um fantástico jardineiro de palavras, amigo.

~~~~Bj~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~

Mar Arável disse...

Nesta desordem de cores

nos jardins
em Abril colho cravos
pássaros de pétalas vermelhas

Abraço sempre


Andrea Liette disse...

Oi Manuel,

Este poema foi pura melodia. Um bouquet de rosas cálidas por suas rimas.

Beijo.

lis disse...

Lindo o 'bouquet da amizade' - como lindo são os afetos.
Que floresça!

Suzete Brainer disse...

Um soneto perfumado, vindo

do jardim da inspiração sublime.

Adorei colher a minha rosa

da partilha (amizade)...

Beijo.

jorge esteves disse...

O teu soneto tem aromas de Amizade!
Abraço.

jorge



jrd disse...

Flores e pétalas, colhidas uma a uma são palavras ditas e escutadas, uma a uma.
Abraço meu irmão poeta

CÉU disse...

"Sucesso" e muita cumplicidade para e no evento.

Se a intenção foi tentar fazer um soneto, consegui um jardim deles, e como cuidou, com esmerada e sincera amizade, das fores, das senhoras palavras!

luisa disse...

Versos como flores. Aos cuidados do poeta e do jardineiro.