segunda-feira, setembro 21, 2015

PLANANDO DE ENCONTRO AO VENTO...


Talvez o momento avaro seja voo de milhafre
Planando de encontro ao vento. Ou estultícia minha
Em filtrar o Tempo. Pelos dedos...

Talvez seja vertigem. Ou pequenos nadas..
Ou profusão de sentidos descendo como os braços do salgueiro.
Ou seja talvez moinho em canto d´água.
Ou a pedra de soleira...

Talvez o momento seja a brusca passagem das horas
Já passadas. E murmúrio de oração em lábios já finados.
Ou mulheres de negro embiocadas: -
Penélopes sem viagem
E epopeias de silêncio...

Talvez sejam as cálidas mãos dos homens. Agora
Pousadas sobre a mesa. E o pão repartido.
E a criança atónita espreitando o ritual
E o vinho nas gargantas ressequidas.
E o delírio da festa.
E as colheitas...

Talvez os corredores da memória
Sejam espaço afadigado em estertor de ave
Já sem ninho. E que no entanto teima o calor das penas...

Assim o vento se solte em novas profecias.
E todos os rostos venham em coro
Entoar bênçãos em teu nome

António!

Manuel Veiga

Adicionar legenda

11 comentários:

Lídia Borges disse...


O "talvez" reiterado como um prelúdio de outros voos e ventos neste outono que (talvez) ainda possa ser mudança de tempo (de tempos?).

Gostei muito (outra vez)!

Lídia








Graça Sampaio disse...

Quem será o afortunado António? Talvez o neto... Que lindo! Mas que peso (de Amor, de Esperança, de Desejo embora) em cima dos seus pequeninos ombros...

Beijinhos

CÉU disse...

O neto e o filho, creio, embora de costas, embelezam a paisagem escrita e não só, que me fez dar voltas à cabeça e aos sentidos, e tanto era o vento do seu escrito, k fiquei alvoroçada e desgrenhada, O que me fez? Não dei por nada.
Temos o outono, quase, quase a chegar e aproxima-se um novo ciclo natural. Se o outro, também, mudar, temos de aceitar e para isso vou contribuir.
Gosto imenso das suas "raivas" misturadas com bênçãos amorosas. GOSTO!

Sóror Mariana Alcoforado? Ah! Bem, somos alentejanas, de Beja, é o k temos em comum. Vivemos em séculos diferente e eu não amei nenhum Marquês de Chamilly. Amou. Pobrezinha! Só o viu ao longe. As Cartas Portuguesas são uma delícia, em minha opinião, mas comparar este meu poema àquilo k a monja talvez tivesse proferido, é um agradável e doce exagero, meu querido amigo!

Bises.

CÉU disse...

Retificando: qdo falo na mudança do outro ciclo k não o da estação do ano, digo k para tal irei contribuir. Ora, é precisamente o contrário, (do) k pretendia dizer.
Há coisas que não se explicam, só se sentem. É isso, e eu sei k sente o mesmo, nesse aspeto, mas diametralmente oposto a mim, ou melhor, às minhas convicções, mas dizem k os extremos se tocam.

Bons sonhos!

Graça Pires disse...

Talvez na memória do tempo se renove sempre o tempo de nascer e a vida se transforme numa evocação de amor. Como neste belíssimo poema que o António irá entender melhor quando a própria vida por ele passar.
Um beijo, meu Amigo.

Majo disse...

~~~
Manuel, que excelente e brilhante herança
~~~~~~ deixas ao teu António...

~~~~~ O melhor do amor puro...
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

~~~ Beijo ~~~
~ ~ ~ ~

Suzete Brainer disse...

Pelos dedos do poeta, as palavras foram construindo
belezas, silêncios, pequenos nadas luminosos até
ficar no eco sonoro de sentires profundos
num nome: António!
De uma beleza poética que sempre encanta...
Uma semana com belas paisagens na cabeça, Poeta amigo!
beijo.

ॐ Shirley ॐ disse...

Ah! Muitas vezes temos que seguir contra os ventos que nos fustigam a memória...
Beijos, heretico!!!

Helena disse...

Os “talvez” a prenunciar versos fortes, intensos, e de rara beleza, navegam na certeza de que as novas profecias em coro entoadas serão bênçãos que depois de planar ao vento se acomodarão nos caminhos e no coração desse António tão amado por um avô que está sempre a espalhar versos nas bênçãos que sobre sua cabeça deixa pousar.
Beijos e um dia ensolarado de alegrias,
Helena

Janita disse...

Talvez que o planar de encontro ao vento, seja o encontro de planar a favor do vento. Com tudo o que foi escrito e o mais que virá e só o tempo dirá!
Que os ventos soprem sempre a favor dos voos que o António quiser escolher e o conduzam a bom porto!

Beijinhos para os dois.

:)

Agostinho disse...

A partilha do Poeta é
ternura de quem ama
pontilhada de ou e talvez
num sobressalto de sempre

Abraço