segunda-feira, outubro 05, 2015

"Que Farei com Esta Espada?..."



À Superior Consideração de:

Senhor António Costa
Senhora Catarina Martins
Senhor Jerónimo de Sousa

“Todo o começo é involuntário.
Deus é o agente.
O herói a si assiste, vário
E inconsciente.

À espada em tuas mãos achada
Teu olhar desce:
“Que farei eu com esta espada?”

Ergueste-a, e fez-se!”         

Fernando Pessoa, Contabilista





10 comentários:

Suzete Brainer disse...

"Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso."
Fernando Pessoa- O Guardador de Rebanhos.

beijo.

O Puma disse...

Quem vai de novo roer a corda?
Abraço

Genny Xavier disse...

Prezado,

Escolha lindamente reflexiva para a transcrição destes versos. Poesia edificada na prática da vida: espada que se ergue, luta para o fazer dos dias.

Beijo,
Genny

Graça Sampaio disse...

Excelente escolha, heretico!!!

Beijinho

C Valente disse...

Há muito que ando arredado de navegar, por aqui passei, gostei, e aceno com as saudações amiga

© Piedade Araújo Sol disse...

uma escolha muito acertada.

beijo

:)

maceta disse...

incisivo, resta saber se saberão "espadeirar" a oportunidade.

jrd disse...

Que a pena seja a espada.
Abraço fraterno Poeta

G- Souto disse...

Gostei muito de (re)ler Pessoa.

Beijo, Herético

Agostinho disse...

Sempre pertinente
herético impenitente !
Se a espada cai
em incerta mão
que vale dizer não?

Abraço