domingo, fevereiro 14, 2016

le temps qui reste Serge Reggiani

7 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

O tempo é como o pão
guardemos algum para amanhã
e
amemos o pão (tempo) que nos resta

(belo, isto!)

Suzete Brainer disse...

Muito belo, belo!!
Ecoa na alma, esse sentir numa eternidade...
Aprecei muito a partilha!
beijo.

Genny Xavier disse...

"Eu amo tanto o tempo que resta..."
... e o que resta é sempre vida que segue e sua merecida degustação...
Carpe diem, poeta!

(Muito bom ouvir Reggiani)

Beijo,
Genny

Graça Pires disse...

O tempo que falta... Falta-nos tempo para reinventarmos a vida e para tantas coisas mais...
Adorei ouvir Serge Reggiani.
Um beijo, meu amigo.

Majo disse...

~~~
Emocionante

esta interpretação declamada da letra/poema

do distinto escritor parisiense, Jean-Loup Dabadie...


Como tinha razão o hilariante Charles Chaplin, quando afirmava

que o ciclo da vida devia ter um sentido inverso à sua ordem natural...


~ ~ ~ Beijo amigo, Manuel. ~ ~ ~

Laura Santos disse...

Todo o tempo que resta será sempre pouco. Por mais que a vida seja longa, é sempre curta.
xx

Agostinho disse...

Reinvente-se o tempo passado no futuro.
Mais Reggiani!