quarta-feira, março 30, 2016

MAGNÓLIAS EM FIM DE TARDE...


Colhe o tempo magnólias em fim de tarde
Latência de um perfume que se inala como ópio
Às golfadas depois do esplendor
E persiste como vibração estreme
Ardência ainda mas já nuvem
Sem retorno...

Essa opulência outrora transbordante
É agora cadência volúvel que percorre os trilhos
Alvoroçados do mel silvestre
E das amoras
Ainda agora palato
E língua...

Sucos destemperados
Que resistem...
Ou paleta de mostos
Que os dedos amassam
Na flor dos dias gastos...

E sucumbem
Na incandescência operática
De um “encore” antes do pano...

E se transportam incrustados
Na desbotada pele das horas
Que estremece desmaiada...

E vibra ainda
Como linha encurvando-se
Antes do fecho...


Manuel Veiga

"Do Esplendor das Coisas Possíveis" - Poética Edições - a publicar em breve


10 comentários:

Maria Eu disse...

Embriagante, o perfume das magnólias.

Boa noite, caro Herético :)

Majo disse...

~~~
~ Sublimes imagens e metáforas

que envolvem intensa e agradavelmente todos os sentidos!

Muito belo será esse livro! Guarda-me um carinhosamente.

~~~~ Beijo, Poeta amigo. ~~~~

Suzete Brainer disse...

Este teu Poema é de uma beleza avassaladora e imponente,
as ricas metáforas correm nos seus mistérios e guardam
o enigma dos seus significados, inscritos numa originalidade
de nos tirar o ar, de tanta admiração a uma criação poética
de um Grande Poeta, que sempre surpreende com uma
riqueza imagética rara.

Bravo, Grande Poeta!!!

Ana Tapadas disse...

Será um livro de poética requintada!
Excelente.

bjs

lis disse...

'encrustados' andam os sentimentos heretico
_ quem sabe apenas guardados para os fins de tarde.
Parabéns pela beleza dos seus poemas.
Trás uma lufada de magnólias.

Mar Arável disse...

Resistir é o caminho
até ao fecho do pano

Abraço sempre

Pata Negra disse...

E vibra!
Um abraço vibrado

Carmem Grinheiro disse...

As magnólias são inspiradoras. Ou será, antes, do ar de promessas que o fim de tarde traz consigo que resulta tanta inspiração?
Belo.
abç

jrd disse...

O ocaso é assim mas ainda muito longe do fim.
Grande abraço meu irmão poeta.

luisa disse...

Podem os dias gastar-se porque fins de tarde com magnólias é coisa que deve valer a pena. :)