quinta-feira, novembro 03, 2016

(in)Submete-se o Poema.


(in)Submete-se o poema ao seu desígnio
Qual barro na prestidigitação de dedos
Em busca da exactidão da forma...

Demiúrgica, a palavra volve-se e revolve-se
E no vórtice arde – coisa de nada!...
........................................................

Desamparo do poeta a tropeçar
Nos dias do Mundo
E sua alma
Inquieta...

Manuel Veiga

in "Do Esplendor das Coisas Possíveis"- 
Poética Edições - Lisboa - Abril 2016 






Sem comentários: