domingo, janeiro 01, 2017

Que os Deuses Escravos Sejam...


Que as esferas girem e seu percurso
Seja incandescência. E os olhares o espaço sideral
E seu eterno movimento. E a linha dos dias
Se desenhe no rosto do inesperado.
E sejamos o crivo e a poalha
Ardente.  

E cada onda encontre o seu reverso.
E todos os amores e todos os afectos se façam
E cada momento seja infinito instante
E luminosa dádiva.

E que o fogo seja alimento de poetas
E festivo, arda. E seja marca e glória a anunciar
As alvoradas.

E o tempo se faça insígnia. E ritmo.
E a vida dança.

E os homens sejam a fecunda chave do Universo.
E os deuses escravos, sejam. Gemendo as dores
Da Humanidade.

Manuel Veiga



12 comentários:

Mar Arável disse...

Que se cumpra o teu poema

meu irmão

Abraço sempre

São disse...

Começas bem o novo ano, que te desejo muito feliz.

Abraços

Rogerio G. V. Pereira disse...

Dizem, Poeta, que Cristo
andou próximo disso

acredito
só que não era Deus
ou talvez fosse
só que não lhe gemeu as dores

que Deus escravo seja
Ele, que sendo infinitamente bom
é, igualmente, infinitamente lento

LuísM Castanheira disse...

desafiar as tempestades com positivismo e verdades...
e que o poema seja a força das vontades.
e que se erga até os deuses se convencerem.
(no ser humano há dores que outros não sentem)
um forte abraço - ao poeta e ao poema.

Suzete Brainer disse...

Manuel, meu Amigo

Um poema belíssimo a nos desafiar no mergulho na sua profundidade
e colher a tua imensa Poesia a libertar com o caminho das palavras
todos os sentires!...

"Que as esferas girem E seu percurso seja incandescência."
A luminosidade de um caminhar que sintoniza por dentro e
por fora, a essência desta luminosidade.

"E que o fogo seja alimento de poetas e festivo, arda."
A fonte da Poesia que transcende a realidade, coloca nas
mãos dos Poetas: os sonhos!...

"E os deuses escravos, sejam. Gemendo as dores da humanidade."
Que genial esta construção, a generosidade dos deuses gemer
as dores provocadas pela humanidade tão escrava de si mesma.

Bravo!
Grata pela leitura que transcende as palavras de imensa
admiração, Poeta Amigo.
Beijo.

Graça Pires disse...

"E que o fogo seja alimento de poetas
E festivo, arda. E seja marca e glória a anunciar
As alvoradas."
Meu querido Amigo, faço deste teu poema uma prece minha...
Um ano excelente e um beijo meu.

Tais Luso disse...


Lindo, poema, uma saudação, um desejo, uma esperança do que está por chegar! Na verdade, tudo é alimento para os poetas, são eles, (você) que tornam o planeta mais leve, que muitas vezes se manifestam com maestria o que possa incomodar a humanidade. Oxalá, que seus versos vagassem pelo mundo despejando gotas de afetos, de amizade. De paz.

E cada onda encontre o seu reverso.
E todos os amores e todos os afectos se façam
E cada momento seja infinito instante
E luminosa dádiva.


Beijo, querido amigo.
Entramos todos em 2017, que os deuses olhem por nós - mesmo gemendo as dores da humanidade.

Teresa Almeida disse...

Inscreves um poema no universo, como de dele tivesses a chave.
É assim a tua força poética! Mas não vais só! Strauss faz vibrar cada palavra.

Sinto-me convocada. Vamos!

luisa disse...

Prefiro que se reconciliem os homens e os deuses.
Bom Ano!

Agostinho disse...

Acrescento eu, que o homem na sua imperfeição nunca se submeta à perfeição da máquina!
Bela a tua proposição, Poeta.

Ana Freire disse...

Uma belíssima alvorada... anunciando esperança... apesar de todas as dores de que padece a Humanidade...
Um poema belo e muito significativo, ideal para assinalar o começo deste novo ano...
Feliz 2017!
Ana

graça Alves disse...

Como sempre maravilhoso!
Apetece analisar estas anáforas e metáforas, parafrasear, mas...bonito é o que está e como está.
Parabéns!
Bj