domingo, junho 04, 2017

ESPÓLIO DE MEUS SONHOS...


O dia, em que um poeta foi a enterrar, entreguei-te
O espólio de meus sonhos.

Talvez recebas apenas
Minhas cãs em desalinho. Ou as cinzas pela antiga casa
E as maças emolduradas. E a sala de visitas
Deserta e o silêncio dos passos.
E o chocolate fervido e o vinho quente
A atapetar o palato
E as narinas.

Ou talvez a brusca debandada de meus olhos
Tordos acesos a riscar o ar e agora baços.
Ou o espúrio cio dos gomos.
Ou o calor íntimo das amoras
Mel silvestre a tingir as bocas
Ante o incêndio
Das salivas.

E encontrarás, estou certo, um ramo de lírios
Desbotados, acabados de colher, e o regaço
Da Mãe e a criança solitária e o fio de água
De meus olhos agora secos.

Talvez a bênção do dia e missa dos sentidos
Encontres nessa caixa de abandonos.

Ou aquele poema amarrotado
De que me faço distância e eco
A martelar nos ouvidos
Como remorso
Ou destino:

Que mais nada tenho! …


Manuel Veiga




Sem comentários: