sexta-feira, dezembro 29, 2017

NA ORLA DOS LÁBIOS (editado)


O poema desenha-se na orla dos lábios
Na íntima tensão do verbo antes de explodir
Itinerário de sombra rente à luz.

Ou murmúrio subterrâneo de gestos
A florirem no rosto imaculado das coisas
Antes de acontecerem.

Como se Eros fosse uma falua
A singrar oceanos ignotos e o Corpo
Uma chama branca a arder no encontro
Cruzado de rotas

E no movimento líquido da Palavra
A alagar-se em fogo. Sem metáforas!


Manuel Veiga



12 comentários:

LuísM Castanheira disse...

Manuel Veiga:

...e da 'flor vermelha' o Homem fez da noite chama; do equilíbrio entre sombras e luz, a travessia suspensa, sobre o fio da palavra...e, na margem, depôs o verso feito poema, mesmo antes de o ser.

e a construção, bela, acontece, em qualquer que seja a 'orla' da tua inspiração.

um caloroso (mais propriamente, forte) abraço, meu Amigo e...
sai bem deste ano e que o novo seja o que mais desejares, para ti e família.

Agostinho disse...

Rente à luz... rosto imaculado... chama branca...movimento líquido da Palavra...
Num jogo de tensão/suspensão crescente o poema cresce até ao cume ardente. A partir dos lábios em versos perfeitos.

Abraço de boas festas. E um ano 2018 "à maneira" do desejo.

Olinda Melo disse...


E tudo acontece. Na orla dos lábios, o sorriso, o beijo, as intenções. E tudo se desenvolvendo naturalmente nesse cruzamento de rotas, onde o mar se faz amigo.

Caro Manuel Veiga, desejo-lhe um Ano Novo repleto de coisas boas e de muita inspiração.

Abraço

Olinda


Ana Freire disse...

Lindíssima, esta criação de uma poema... desenhado através das suas luminosas palavras, Manuel!...
Inspiração e talento, sempre no seu melhor... mais um dos seus trabalhos, que ficará assinalado no meu caderninho de destaques, para colocar por lá no meu canto!... Simplesmente sublime!
Beijinho! Continuação de Festas Felizes!
Ana

manuela barroso disse...

Um itinerário óbvio mas cujas trajeto se torna resplandecente quando o guia nos acompanha desta forma extraordinária
Adorei , Manuel
Um grande 2018
Beijinho !

Marta Vinhais disse...

E viajamos pelo fogo da paixão, desenhando as palavras....
Lindo...
Obrigada pela visita...
Bom Ano 2018....
Beijos e abraços
Marta

Odete Ferreira disse...

Na impossibilidade de o ter feito antes, desejo que a quadra natalícia tenha sido vivida em plenitude pessoal e familiar e que o eco das Boas Festas se faça sentir no hoje e sempre. Formulo, agora, os meus sinceros votos para que o ano de 2018 se cumpra em conformidade com os teus desejos.
Com afeto, deixo um bjinho
(Saudades de ler a inteireza da tua poesia...)

Lune Fragmentos da noite com flores disse...

Um jeito sempre muito teu de cantar a paixão.

Bom Ano 2018!
beijo

Suzete Brainer disse...

Um poema daqueles, na expressividade
de obra de arte. Maravilhoso dizer, no
patamar expressivo poético alcançado
tão belo e único. O caminho das palavras
sendo gestos, sentires, desejos e imagens
a explodirem em beleza no caminho
dos lábios cristalizados em luzes:
"Na íntima tensão do
Verbo antes de explodir
Intineario de sombra
Rente à luz."

" E no movimento líquido
Da palavra
A alargar-se em fogo
Sem metáforas! "
O brilho - força das palavras nas
transparências de belos significados,
que dispensam aqui, o caminho
das metáforas superadas em
modo expressivo.
Bravo, Poeta!
Beijos, meu amigo.

José Carlos Sant Anna disse...

Esse convite à decifração do poema que se desenha na “orla dos lábios” e vai tomando forma ou vai preenchendo a página em branco com o leitor acompanhando este processo criador na tensão do “itinerário” de “luz ou sombra” até a consumação da “palavra” (poema) “alagando-se em fogo”.
Forte abraço, caro amigo!

lis disse...

O verbo no intransitivo'estar em chamas' ou 'alagar-se em fogo' é uma forma sublime de desenhar um poema e o poeta heretico sabe faze-lo,lindamente.
Que 2018 seja vivido intensamente com a inspiração a arder na 'orla dos lábios'.
Um grande Ano pra ti,Veiga
com abraço

Agostinho disse...

Volto para dizer
que o poema prima
aprimora a pele do papel,
ou o papel da pele
terminal-receptor
sensorial...
frio-calor.

Abraço.