quarta-feira, janeiro 03, 2018

Umas Perguntas Retóricas... e Oportunas


Carlos Moedas o ex-Secretário de Estado de Passos Coelho, correia de transmissão da Troika e agora Comissário Europeu disse em entrevista ao DN (…): "Quem não estiver de acordo com os valores europeus não deve estar connosco”.

Mas digníssimo Comissário Europeu a que valores europeus em concreto se refere?

Ao da solidariedade com os emigrantes, como se viu no caso da Grécia...?

Ao da transparência, como se tem visto no funcionamento da Comissão ou do Eurogrupo, de que o caso Varoufakis é exemplar?

Da igualdade entre Estados, em que como diz o seu Presidente: a França é a França!

Da Democracia, em que os Referendos quando não dão o resultado pretendido  são repetidos até darem o resultado certo ?

Da coesão económica e social? Do nivelamento por cima?
(…)
Do "Estado de Direito" - com as suas leis, directivas e regulamentos ditados pelo Directório das grandes potências?


Publicada por Pena Preta, dez Dezembro

ver FOICEBOOK

5 comentários:

Larissa Santos disse...

Interessante :))
Boa tarde-Bom ano

Bjos
Resto de uma boa Quarta-Feira.

José Carlos Sant Anna disse...

Sempre silenciam quando as perguntas são retóricas, fingem que nao devem ser respondidas porque retóricas.
Quando não retóricas são escamoteadas.
É assim em todo o mundo, globalizado...
Caloroso abraço, caro amigo@

Manuel Veiga disse...

Caro José Carlos, meu amigo

mal comparado, as "perguntas retóricas" são como a voz de Teresa Salgueiro a cantar a música "Acordai" de Lopes Graça - ficam no ouvido! (quando ficam).

forte abraço

Agostinho disse...

A França é a França!
A Guerra é a Guerra!
A Potência é a Potência
(Nuclear)!

Gostava de ouvir a troca de trunfos,
arrulhos e arrufos.
A Alemanha protege-se,
a França safa-se.
Ou vice-versa.
E, a canalha bebe e tinta-se.

Abraço

Olinda Melo disse...


Não há dúvida que a Europa, a União Europeia, terá de parar e fazer um exame de consciência e ver o que poderá estar a correr menos bem. Terá de voltar aos fundamentos que levaram à sua criação. Os ideais que a cimentaram parecem estar muito longe do que presentemente acontece.

Houve tempo em que também eu colocava questões, talvez retóricas, lá no Xaile de Seda quanto à bondade das suas instituições e dos valores postos em prática. Por fim, penso que me cansei um pouco.

Mas, reconheço que temos de estar atentos e colocar questões, sempre, a fim de acordar consciências adormecidas pela espuma do tempo.

Abraço

Olinda