sábado, fevereiro 10, 2018

ANTI MATÉRIA...


Ouves-me?
- Estou do outro lado do Céu!

Escutas-me?
Dá-me tuas mãos
Cansei-me de minhas asas.

Manuel Veiga – Lisboa 2007

10 comentários:

Larissa Santos disse...

Lindo!. Ouço, estou aqui :))

Hoje:- {Poetizando e Encantando} Advertências... a saudade não mente.
.
Bjos
Votos de um Sábado Feliz.

luisa disse...

E como está o tempo, do lado de lá do céu?
:)

manuela barroso disse...


Sim, às vezes as asas pesam!
Só sei dizer que adorei.
Beijo, Manuel!

Gil António disse...

Bom dia. Nem sempre se voa... quando se pensar que se voa.
.
* Poetizando a Folia do Carnaval *
.
Tenha um Carnaval Feliz

Teresa Almeida disse...

As palavras não se circunscrevem a lugares e, facilmente, se ultrapassam a si mesmas. Imateriais e plenas.
Quanta sensibilidade, meu amigo!
Beijos.

Graça Pires disse...

Penso que dialogas com o teu anjo da guarda. Empresta-lhe as tuas mãos de poeta em troca das asas dele. Mas só por instantes...
Uma boa semana, meu querido Amigo.
Um beijo.

Ana Freire disse...

Simplesmente sublime, Manuel!...
Adorei cada palavra! Beijinho! Boa semana!
Ana

Olinda Melo disse...

Um chamamento que terá de atravessar várias camadas de matéria até chegar àquele ponto fulcral, primordial, da nossa essência.

Abraço

Olinda

Suzete Brainer disse...

Um poema imenso de beleza,
numa dimensão que o amor
proporciona, a caminhada de mãos dadas.

Apreciei imensamente a sublimidade deste poema, meu caro amigo Manuel.

beijo.

Manuel Veiga disse...

Agostinho deixou um novo comentário na sua mensagem "ANTI MATÉRIA...":

Este, até me parece melhor que o seguinte.
O que um poema curto pode conter/contar! Com um ágil diálogo a economia das palavras ganha profundidade.
Diferente esta joia, saída da oficina do costume.
Abraço.