segunda-feira, novembro 10, 2008

Sim, podemos!...

Que o gesto seja faúlha na bigorna
E prenúncio da batalha
Por agora...

E o canto clamor dos homens
Larva ainda...

Que o surdo rumor do Mundo e os dias
Sejam a inquietante superação das horas
Na esperança breve das coisas
Que colhemos...

E a dissonante música seja eco na anca dos escravos
E os punhos sejam tela no olhar
Dos timoratos...

E que o Tempo germine
E que os sonhos tenham asas...

E então. Sim...
Podemos!...

33 comentários:

São disse...

Estupendo poema, a sério.
Boa semana.

Maria disse...

Com a LUTA!
Sim, e só assim, podemos...
Belo poema!

Beijos
e mais beijos

Sophiamar disse...

Os sonhos!!! Embora nunca se apaguem, amigo, falta-lhes a tal faúlha que os incendeie,que lhes dê asas. O tempo é de crise em todos os aspectos.
Pela abulia me deixo levar.

Beijos

Grande poeta!

hfm disse...

Podemos sempre nem que tenhamos de esperar, aí reside a sabedoria.

Graça Pires disse...

"Na esperança breve das coisas
Que colhemos...", podemos, sim. Sempre um sonho nos arrasta. Gostei muito do poema.
Um abraço.

batista disse...

podíamos ontem
e semeamos “nãos”
quando a força bruta obrigava a dizer “sim” à negação da vida

podíamos ontem
e plantamos cravos no cano dos fuzis

podíamos ontem
e cantamos, cheios de Esperança
outr’amanhecer
enquanto lágrimas balsamizavam perdas sofridas

podíamos ontem, mas outros podiam também
e espalharam mentiras a mancheias
deturpando o encanto das palavras de Esperança

podíamos ontem, mas outros podiam também
e envenenaram cravos e rosas
e premiram, com fúria redobrada, os gatilhos dos fuzis

mas a vida é maior que a morte
suas sementes residem nas entranhas do sempre
e florescem, contínuamente, nos corações das mulheres e homens

sim, meu Amigo: podíamos ontem. podemos hoje – e sempre!

“Que o gesto seja faúlha na bigorna
E prenúncio da batalha
Por agora...”

deixo um abraço fraterno e solidário.

margarida já muito desfolhada disse...

que assim seja.


és grande...

Véu de Maya disse...

Belíssimo! Tb me convences como poeta...leve mas denso...e disso gosto...

abraços

SILÊNCIO CULPADO disse...

Herético

Lindo. Sim podemos, assim a alma não seja pequena, assim o coração bata e não se acobarde.
Sim, podemos. E porque podemos tenho esperança.

Abraço

Vieira Calado disse...

Belo poema interventivo, com sabor a épico!


Um abraço.

Maria P. disse...

Que força!Que belo...

Beiinho*

jrd disse...

Prenúncio do que havemos de fazer, se quisermos, porque podemos.

Mariz disse...

Salvé!
Depois de uma retirada forçada... - não se pode já ter confiança nas pessoas, quanto mais nas máquinas! - ou contrário?!...
Mas aqui de novo,vamos ao que me trouxe:
"Sim, podemos!"
Belo Slogan, para quem pretende acreditar!
Por entre palmas, bravos, lágrimas e uma mão cheia de muita "euforia electrizante", vive-se em pleno, a "época das multidões" e quando estas se (a)levantam....diz-nos a história e a sabedoria, que: não é por aí!
Porém, a frase é aliciante...como convém! - não estou a falar do poema. Porque uanto a ele, é bem
mais persuasivo e aqui sim, cheio de odores de esperança, cujos olhar se sente já no eterno amanhã...de hoje!
que ninguém se engene, pois...porque
Nós, "só podemos"...se formos realmente, UM! - (seria bem isto a que o outro se refereriria? Ou apenas... simples demagogia?) - fique atento.

Abraço
Mariz

ESPAVO! - ("reconhecendo a Luz que há em si")

Peter disse...

Herético

Já por várias vezes tenho manifestado o meu apreço pela tua poesia, por isso não me vou repetir.

Venho pedir-te um favor: que me autorizes a publicar estes versos numa "espécie de blogue" que tenho.

P.S. - O blogue chama-se "Peter's"

Vanda disse...

Podemos!


Assim saibamos germinar o gesto.

Tinta Azul disse...

Gosto do Herético Poeta.


Muito.

:)

vida de vidro disse...

Podemos deixar-nos levar pelo sonho, isso sim! Mais do que isso, não sei. Mas talvez seja apenas o meu pessimismo a falar.
O que disse antes não tem nada a ver com o poema que é bem digno da tua qualidade de poeta. Um semeador de esperança que quase nos faz acreditar nesse slogan tão na moda. :)**

Menina_marota disse...

"...E que o Tempo germine
E que os sonhos tenham asas..."

Nãé a vida um sonho e, o sonho a Vida?

Um abraço

hora tardia disse...

belo.



e




obrigada.

mdsol disse...

yes, we can?
Uauuuuuuuuuu!
rsrsrs
:))

Peter disse...

Publicado. Obrigado!

M. disse...

Podemos isso tudo e muito mais. A questão é se queremos. haja humanidade.

Bjs

C Valente disse...

Felicito pelo belo poema
saudações amigas

mariam disse...

Herético,
excelente! gostei(muito)
... força.luta, esperança, pode!
este, tem o seu cunho, gosto quando assim escreve...

uma boa semana
um grande sorriso :)
mariam

Mar Arável disse...

Uma vez mais contigo

voo

com um pé no chão

dos pássaros

O Puma disse...

Como te compreendo

amigo

antonio - o implume disse...

Se a esperança fosse gesto, esta seria a sua escrita.

Adorei este momento.

M. disse...

ou se devemos rsrs

*

jawaa disse...

À altura do sonho, sim!
Um abraço

bettips disse...

Ou alguém a seguir a nós.
Também, um beijo.

Oliver Pickwick disse...

Poesia profética e esperançosa. Sabes que o novo sempre vêem.
Um abraço!

hora tardia disse...

podemos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!





.



________________:

* hemisfério norte disse...

e quebrar palavras com sussurros de silêncio.....podemos?

bj
a.