terça-feira, dezembro 15, 2009

deixo que rios secos...

deixo que rios secos e
tempestades de sons ausentes na memória
de outros Maios se inscrevam
na saliva das palavras
como vibrações de azul em fim de tarde...

assim administrando amoras tardias
em círculos de sol...

lábios ciosos de mostos
inesperados como frutos desprendendo-se
de maduros ou chuvas de deserto...

viajo caminheiro sem pressas
recostado nas bermas
celebrando as sombras e
as festivas giestas outonais
sorvendo o mel das silvas
soltando revoadas de tordos espantados
que riscam o abismo dos olhos...

e me perco nessa entrega matizada de
cores quentes nos odores persistentes
na humidade translúcida dos fetos
na generosidade dos seios
no declive dos trilhos...

e no cio das colheitas
e na sofreguidão de cestos antes das uvas...

e nas ondas de lava
e neste de lume que consome
e nesta festa que explode
em pulsão de madrugada...

31 comentários:

Paula Raposo disse...

Muitíssimo belo! Adorei!
Beijos.

jrd disse...

Muito bom! Grande poema!
Um poema-paisagem que adivinha a mudança.
Um abraço

O Puma disse...

Uma bela viagem

com palavras frescas

Abraço

gabriela rocha martins disse...

Maio esquecido Maio onde as palavras florescem

azuis
( se assim o deixarmos )



.
um beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

gostei demais deste poema, estrofes ricas, profundas com uma mescla de erotismo.

parabéns!

beij

hfm disse...

"viajo caminheiro sem pressas
recostado nas bermas
celebrando as sombras e
as festivas giestas outonais
sorvendo o mel das silvas
soltando revoadas de tordos espantados
que riscam o abismo dos olhos..."

viajei nas tuas palavras. Belíssimas!

São disse...

Que as cores quentes tinjam sempre os teus dias, Poeta!

Beijinhos.

mundo azul disse...

__________________________________


O seu poema, nos leva para passeios encantadores...


Muito bom!!!


Beijos de luz e o meu carinho...

________________________________

Maria disse...

bonita esta tua viagem
em explosão de cores e cheiros
Gostei muito

Beijos

Maria disse...

... e sabores...

:)

Nilson Barcelli disse...

Em muitas coisas, deixar é preciso...
Para que tudo seja visto sob um prisma diferente do usual, eventualmente melhor.
Excelente poema caro amigo, gostei imenso.
Abraço.

maré disse...

eu também deixo que o azul deleite as selvagens flores de maio

que um pólen maduro
engravide as palavras

que as minhas mãos
em concha

despertem o delírio dos rios

*

Obrigado

Chris disse...

Ondas de lava, entendo essas palavras...
Um beijo,
Chris

Licínia Quitério disse...

Um belíssimo poema à flor da pele, embriagado de sentidos, com imagens riquíssimas.

Um abraço.

gaivota disse...

colorida, saborosa, intensa
viagem!
beijinhos

~pi disse...

quase-líquido-rio,

[ assim o chamei,





beijo






~

rosasiventos disse...

passo a passo

de

va

gar( :)

Carla disse...

retalhos da natureza que explodem em palavras prenhas de beleza
beijo

Entre "linhas" disse...

"A Melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio
de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida"

*Laur@´s Poesias

Mel de Carvalho disse...

Caríssimo Herético,
para além de ser um prazer lê-lo é, indubitavelmente, um privilégio que nos concede, ao partilhar connosco a excelsa qualidade literária dos seus trabalhos

destaco

"assim administrando amoras tardias
em círculos de sol..."

Fraterno abraço, grata
Mel

Vera disse...

Uau! Temos poeta! Adorei o poema :) Quero mais!

Beijinhos

Graça Pires disse...

Um poema cheio de música e de ritmo. Na saliva das palavras, as amoras tardias ... de Maio.
Um beijo.

mdsol disse...

Oh Por aqui escreve-se muito bem!
[Estou sempre a repetir-me]

:)))

Correia disse...

lindo e belo poema do meu caro amigo.
...na verdade «… em cada percurso, sou aprendiz do tempo...» Abraço amigo, CCorreia.

Véu de Maya disse...

Brilhante poema, meu caro.
NATAL FELIZ E UM ANO NOVO COM PAZ; AMOR E POESIA...E perspectivas de uma nova esperança para o mundo.

M. disse...

Gosto muito.

Graça Pimentel disse...

Foi muito bom passear neste poema...
Gostei muito. Obrigada.

Um beijo com desejos de um Bom Natal

alice disse...

um poema paisagístico de grande beleza, na presença da noite e de tudo o que ela promete ao novo dia

beijinho :)

Maria Valadas disse...

Adorei o poema!!

Desconhecia esta sua faceta!

Uma vénia... ao poeta!

VOTOS DE SANTO E FELIZ NATAL.

Beijo.

maria manuel disse...

belo poema, a pulsar de sentidos e sensações, recolhidas na natureza.

abraço.

jawaa disse...

Do «Maio, maduro Maio quem te pintou» partes para um Outono cheio de promessas.
Como sempre um belo poema.
Um abraço