terça-feira, dezembro 20, 2011

SUAVES SORTILÉGIOS...

VOTOS DE NATAL FELIZ...
com Saúde, Paz e Alegria.

(apesar dos tempos...)
...................................................................................................................................................


Suaves sortilégios...

Falam-me estes dias de suaves sortilégios
Quando os olhos sorriam na ternura de um afago
E teu regaço, Mãe, era altar e refrigério …

Não havia profusão de cores. Nem artificio.
Tudo se resumia à singeleza de teus dedos
Ajeitando o musgo sobre a pedra.
E a imaginada gruta onde construías o milagre
Aninhando-se em mim: – Deus menino!...

(Que o outro Menino era apenas pretexto.
Natal que tu não sabias, então, Mãe, mas eu sei.
Hoje!...)

E a mãe celeste era a amorável devoção
Com que enfeitavas o caminho. E deitavas
Nas palhinhas o meu olhar deslumbrado
E o doce encantamento…

E a liturgia imaculada do presépio!...
E esta eterna dor da ausência. E tua presença
Iluminada que pressinto em cada passo…    




18 comentários:

Maria disse...

Suaves abraços
para ti
em tempo de solidariedade
todos os dias do ano.

Beijo.

Rogério Pereira disse...

Nem sabe, nem imagina o que o seu poema joga e casa com o meu conto... Acho que não meras coincidências mas maneiras semelhantes de sentir...

Foi bom ler o que acabou de escrever

(estás também na minha árvore)

© Maria Manuel disse...

que poema belo e tocante!

abraço e votos de Boas Festas!

tiago lima disse...

Será que ainda há sortilégios?...
(é verdade, o tempo que vai é tempo do faz-de-conta)
...
Não estive, mas não me esqueci de estar. E mesmo que Natal seja quando se quiser (e for possível...), é sempre possível um abraço!
Felicidades!

lino disse...

Os meus Natais de criança eram muito parecidos. As Boas Festas possíveis e um forte abraço

jrd disse...

Não sou poeta, mas vou "chamar de meu" a este belíssimo poema.
Sei que não te importas.
Obrigado.
Um abraço

Maria Soares disse...

Linda poesia.
Votos de um feliz natal.

Mar Arável disse...

Tudo pelo melhor

neste Inverno descontente

Abraço amigo

Mel de Carvalho disse...

De uma ternura incomensurável este texto. Só quem, como eu, não tem já o colo dos pais, sabe o quanto, nestas alturas nos fazem falta...

Um enorme bem-haja, meu amigo, pela sua presença na minha escrita, pela generosidade das suas palavras, pelas leituras, neste seu espaço.

Feliz Natal para si e quantos ama

Fraterno abraço
Mel

tulipa disse...

Expresso
os votos de um Feliz Natal
e um Ano de 2012
repleto de saude e alegria...

Agradeço e retribuo
os votos de BOAS FESTAS.

Beijinho.

Alvarez disse...

Um abraço e votos de longa vida!
Alvarez

Teresa Durães disse...

Bom Natal (e suaves abraços) para ti|!

George Sand disse...

Passei para desejar Feliz Natal. Que seja suave.

M. disse...

Tão tão bonito, Heretico!
Um bom Natal. De memórias e não só.

AC disse...

Meu amigo,
Que a verdadeira essência de Natal se consiga insinuar para lá deste gigantesco cenário comercial.

Feliz Natal!

Miosotis disse...

De grande ternura, o teu poema.

Nesta noite fria, Fraterno Natal!

Um beijo

jawaa disse...

Venho atrasada e à pressa, mas mereceu a pena só para te ler agora.
Tão, mas tão bonito o que escreves!
Um beijo de Natal

© Piedade Araújo Sol disse...

a ternura é doce.

obrigada!

um beij