sábado, março 31, 2012

Tarde resiliente...

Glória ao altivo melro em sua sebe. Sem outra inquietude ou dor Soberano príncipe
Catando a hora em reflexos de luz. E o viço de meus olhos
Abrindo-se no negro vertebrado das asas
Em timbre de azul...

O sol é apenas pretexto. E o voo a indolência.
Não a chama, nem o sobressalto, nem o “piolho da existência”.
Apenas a imprevisível ave rasgando o ar
E a tarde caindo resiliente...

Nem passado nem futuro. Imanente o sopro
E aguilhão de minha ausência. E a secreta passagem
Entre a fugaz ave e a alma evanescente...

Talvez a sombra de Torga como árvore.
Ou magoado sorriso de Caeiro.


15 comentários:

Rogério Pereira disse...

Sim...

"Talvez seja a sombra de Torga como árvore.
Ou magoado sorriso de Caeiro."

(Publica!)

vieira calado disse...

Belo, o poema!

* Olá, boa noite!

Estou noutro computador,

porque no meu há uma insidiosa aplicação Texas

que não deixa comentar.

Daí a minha forçada ausência.

Felizmente daqui posso saudá-lo!

Forte abraço

Canto da Boca disse...

Além de nos presentear com um poema que não necessita de nada mais, além do nosso mergulho nele, e sermos essa tarde anunciada no canto do melro, nos remetes a dois grandes poetas.

Belo!

Beijinho e ótimo domingo!

;)

BlueShell disse...

"o sol é apenas o petexto"...seja...mas o Texto é Iluminado!
Belíssimo!
BS

AC disse...

Poema que é tela plena de referências.
Muito belo!

Abraço

hfm disse...

Que beleza!

AnaMar (pseudónimo) disse...

E que haja sempre sol. e que seja pretexto para poemas assim....sublimes.

Licínia Quitério disse...

Está lá a mágoa sorridente de Caeiro, a desvendar a explicação da tarde. Belo Poema!

Martita disse...

Ou estertor de um país entregue aos coelhos!
Abraço

lino disse...

Era eu com o na sessão da filhota!
Abraço

jrd disse...

Um pássaro de "luto" e de luta!...
Outro grande poema.
Abraço

Maria disse...

Ou o teu olhar lançado ao azul do céu
onde escreves poemas
que nos põem em estado líquido...

Beijo.

Peter disse...

Onde moro há pombos que detesto, pois estão sempre com diarreia e melros, que adoro. Os machos têm bico amarelo e as fémeas não, alem da plumagem ser menos negra.

Mar Arável disse...

Belíssimo

Os melros cá da casa
comem nas minhas mãos
o granulado dos cães

Abraço

C Valente disse...

Muito poético
Saudações amigas