terça-feira, dezembro 17, 2013

NATAL... É NATAL? TRISTE NATAL....

 
 


 
Texto de José Victor Malheiros -
in "Público" de 17.12.2013
 
 


13 comentários:

O Puma disse...

O Natal vai começar

Abraço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Li, é um excelente texto! (todo ele)

© Piedade Araújo Sol disse...

o Natal já não é o que era...
acho que nunca mais vai ser!

:(

Maria do Sol disse...

Obrigada pelas amáveis palavras.que deixou no meu cantinho. É também um privilégio visitar o seu blogue.

O Natal perdeu o encanto desde que se tornou uma quadra de consumo, ou seja, desde que descobri que afinal, o Pai Natal é uma fraude...

Abraços, ainda assim, natalícios.

Graça Sampaio disse...

Não é só o Pai Natal que está desacreditado... Cá nos país, por exemplo, (quase) tidas as instituições da república estão desacreditadas por força dos "inquilinos" que muitos portugueses cegos e estúpidos, lá meteram!

Bom Natal, malgré tout...

lino disse...

Esta cambada até privatizou o Natal!
Boas Festas e um forte abraço

quem és, que fazes aqui? disse...


Apesar de tudo, Feliz Natal!

Um beijinho

Ana Tapadas disse...

Parabéns pelo post!

Mesmo assim, festas felizes!

Beijo

Jorge Castro (OrCa) disse...

Deixa-me dizer-te que conto contigo, também, para que não deixes que o Natal se torne em mais uma palavra despida de significado, que usamos e deitamos fora como o produto consumível em que o vão transformando, com alguma nossa complacência fatigada.

Faz do teu Natal aquilo que ele sempre foi: a tua celebração do eterno retorno, do renascimento, do reinício de um novo ciclo, daqueles de que é formada a espiral ascendente das nossas vidas.

E faz-nos sempre o favor de ser feliz.

Complementarmente, aqui fica um forte abraço.

Helena disse...

Busquei ler o artigo todo e muito apreciei a leitura, rica em significados e com um humor admirável. Acho que descobri porque o Papai Noel (como o chamamos por aqui) desapareceu daí... Ele anda por aqui aparecendo muito na mídia, faz pose em shoppings junto das crianças, visita favelas e creches, e até onde as almas caridosas alcançam sempre há um presentinho para as crianças "seja rica ou seja pobre" como diz a canção natalina. O comércio vende aos montes, os políticos aproveitam a onda dos bem intencionados, aqueles que realmente se importam e comandam Ongs, dão assistência permanente aos menos favorecidos, etc.. É uma época 'rica' de boas intenções e de muita vendagem comercial. Poucos são os que preservam e cultivam os verdadeiros valores de solidariedade humana, mas ainda os há, famílias (abastadas ou não) que além dos presentes distribuídos sabem (e ensinam os filhos) agradecer pelo que possuem e conservam o verdadeiro espírito de Natal que é a fraternidade, a boa vontade entre os homens e o amor ao próximo. Nestes lares (ou organizações) o Menino Jesus tem o real significado do Natal associado ao seu pequenino ser.
Amigo, grata pela atenção de sempre, e receba meu carinho nos votos de um Natal do jeito que o imaginas, e que o ano vindouro te seja benéfico e propício em tudo que planejares.
Com apreço,
Helena

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Heréticamigo

Natal? Qual? Como? Onde? Estes pulhas e fdp (por extenso: filhos da puta) que nos (des)governam ainda não acabaram com o feriado de 25, mas devem estar a fazê-lo...

Entretanto:



História dum “crime”, ficção?
Não senhor, é a pura verdade
São muitas coisas do coração
Vividas na mais terna idade

Na nossa Travessa saberás o porquê desta quadra quadrada e maluca

Abç

Anónimo disse...

Apenas... saudar a festa que sentimos quando encontramos amigos lúcidos. Grata pela companhia estes anos passados - que o nosso ANO (não o trêze mas o cuatorze) possa/SEJA NOVO. Porque nos ameaçam com os anos desgraçados, dos juros e tangas. Ora nós já os vivemos que chegue.
Abçs da bettips

Lídia Borges disse...


Cada vez mais alto o ruído para que se não ouça, cada vez mais garridas as iluminações para que se não veja, mas já nada pode mascarar a ausência do Natal, do seu simbolismo na nossa cultura.

Lídia