sábado, fevereiro 24, 2018

ANTI ROSA...


Rosa, nome de guerra!

Rosa funesta
Rosa viciosa
Rosa viciada...

Sem música
"Sem perfume, sem rosa
Sem nada…"

Rosa adiada!


Manuel Veiga





8 comentários:

Larissa Santos disse...

Lindo e profundo. :))

Hoje:- O acordar da quimera
.
Bjos

Votos de Sábado muito feliz.

Olinda Melo disse...

Bela, perfumada, viçosa.
Mas, há que contar com os seus espinhos. Nem sempre são de somenos.

Abraço.

Olinda

Tais Luso disse...

Meu amigo Manuel, ando atrasada nos meus comentários, nessa postagem estava uma canção não lembro o nome agora, mas se encaixava lindamente nesse poema da Rosa!
Deixo meu aplauso ao poema e à postagem da canção escolhida (rosa)!
Beijos, uma ótima semana.

Teresa Almeida disse...

O poeta e o seu protesto. Missão sublime.
E o poema de Vinícius de Morais, belíssimo na voz de Ney Matogrosso.
O grito,a dor e o alerta.

Parabéns, amigo Manuel Veiga.



Tais Luso disse...

A interpretação de Ney Matogrosso, do poema Rosa de Hiroshima, é sem dúvida uma das mais tristes e comoventes que conheço.
Triste, mas extremamente bela. Escutei novamente.
Beijo, meu amigo.

Ana Freire disse...

Anti rosa... assim parecem ser, a grande maioria das acções do homem, perante a perfeição encontrada... destruindo o mundo... e destruindo-se a si mesmo...
Um poema, tão leve, quanto profundo!... Brilhante, como sempre, Manuel!
E muito bem complementado, com o tema musical escolhido!
Beijinho
Ana

Suzete Brainer disse...

Que poema excelente, a trazer a Rosa (simbolicamente)
no avesso, da ferida e da dor!...

E a Rosa na dor:
"Sem música
Sem perfume, sem rosa
Sem nada..."
Mas, uma Rosa sempre pode retornar,
a sublimidade na essência!...

Maravilhoso, Caro Poeta.
Beijo, meu amigo.

José Carlos Sant Anna disse...

Pois é , caro amigo, as palavras se sujam de nós na viagem. Carecemos depurá-las. Neste caso, deslocada demarca "incandescências" antigas, mas ainda assim uma vez vertidas são frutificadas.
Um saudoso abraço,