segunda-feira, janeiro 16, 2012

CARPIDEIRAS DA PÁTRIA MORIBUNDA...


Ah, como eu gosto dos homens com "H" grande
vindos directamente de Alcácer-Quibir
de olhos cansados de todas as causas!
na aguardente rasca (porra, o wisky está caro!)
emborcam absintos e "river gauche"
desempregados de todos os sonhos
e famintos ferozes de todas as ideias que lhes escapam...


Oh, Baudelaire! oh, fatal "mal de vivre"
decadentistas de rabo coçado
piscando a remela de águas furtadas (in)imaginadas
sobre o Sena...


Oh, dor de donzelas purinhas arrependidas!
oh, caprichosa sorte do euro milhões que não chega!
oh, mazelas da pátria moribunda sempre adiada!
oh, monte carlo (que deus haja!) oh majestic!

 oh, benfica que não ganha! Oh, porto que se afunda…

Música que cheira à distância "demodé" (eheheh)
(im)potências de esguicho mal amado
gloriosos anos 60 lobrigados de cacilhas
esterilidade de revoluções a metro
"tigres de papel" vendidos na feira da ladra!


Não me lixem (com F grande)! Desistam!...
ou façam um blog político de preferência
ou vão carpir mágoas para S. Bento

como deputados de refugo...



8 comentários:

AC disse...

Uau, chegou a hora de abanar a modorra habitual!
Está muito bom, parabéns!

Abraço

São disse...

Tu desculpa, mas ainda mais deputados de refugo?! Deus nos livre!!

Do texto, acho-o um dos melhores que escreveste.

Boa semana

O Puma disse...

Fora a citação ao glorioso

tudo pelo melhor
Abraço sempre

lino disse...

Excelente poema-manifesto!
Abraço

Rosa Brava disse...

:-))) e adorei o"...decadentistas de rabo coçado..."

Um poema que me lembra desafios de outros locais.

© Piedade Araújo Sol disse...

poema de intervenção e um grito ao marasmo,,,

um beij

Evanir disse...

Parabéns pelo poema .
um feliz final de semana.
Beijos meus..Evanir..

Jaime A. disse...

As carpideiras nunca fizeram História...
Excelente texto (panfletário?)