terça-feira, julho 01, 2014

ÀS PORTAS DA CIDADE RAREFEITA...



Às portas da cidade rarefeita por onde
Os lobos marcam lá dentro a paisagem em seu registo de sangue
E ódio e se devoram senhores do tempo
E os cães famélicos são apenas os restos do banquete
E da apoteose da morte...

Às portas da cidade por onde o grito se perfila
E os rodízios e as alavancas gemem num chiar de mudos
E o canto se entope nas gargantas. E pela milésima vez
Bandeiras esfarrapadas cobrem as chagas
Expostas como fístulas poluídas...

Às portas da cidade onde fervem as vitórias e todas
As desistências são possíveis e os heroísmos são verso e reverso
De tudo ou nada. E os homens se reconhecem
E são barro ou aço na dimensão comum do seu destino
E da entrega à incerteza e ao sobressalto...

Às portas da cidade por onde um poeta sem nome
E sem glória aclara a voz com cítara desajeitada
E recolhe os salvados de todos os naufrágios
E com eles as dores e as fomes descarnadas que se perfilam
Num deserto de agonia trágica...

Aí nesse mítico lugar de batalhas destroçadas e de furtivas
Esperas. Aí às portas da cidade por onde corre o sangue
Fermente e o medo se fecunda no rugir dos ferros e dos ventos
Nesse mítico lugar solto meu grito de guerra e me jogo
Farrapo de azul vertido em velas de um qualquer moinho...



Manuel Veiga

  

6 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

E tanta gente que fica às portas da cidade! :(

Abraço

Maria João Brito de Sousa disse...

Abro as portas da tua cidade para deixar a minha saudação!

Rogerio G. V. Pereira disse...

Ah cidade, cidade
que o poeta
mesmo sofrendo te liberte,
agora, antes que seja tarde

Graça Sampaio disse...

E que seria de nós, pobres mortais,sem a cidade?

Muito bem conseguido - como sempre - muito forte e, ao mesmo tempo, frágil. À laia de um Homero da atualidade.

Beijos.

© Piedade Araújo Sol disse...

as portas da cidade encerram tanta coisa boa (e tanta coisa muito má).

poesia muito forte e acutilante.

:)

maceta disse...

há muitos homens com pés de barro; há alguns com vontade de aço...