sexta-feira, julho 11, 2014

AS VALQUÍRIAS...


Em noites brancas e circulares da insubmissão do sangue
Basta saber escutar para ouvir suas loucas cavalgadas.

Voam distâncias. Nuas. Apenas cobertas de luar
E a vergasta dos cabelos. Que frenéticas sacodem
Em risos colossais e esgares que ressoam
No eco das montanhas
Quais trombetas...

Evitam encruzilhadas. E em magotes se apressam
E se juntam no destino. Em círculo debaixo dos salgueiros.
E cantam e dançam sacudindo as ancas.
E se mimam...

E com furor nas gargantas gritam. E em êxtase tremem.
E se agitam. E se abraçam. E se incendeiam
E se cobrem de cinzas.

E invocam as Trevas. E num trovejar de fogo e ritmo
Soberbas erguem o símbolo fálico. E o momento de glória.
E encenam-se no simulacro. E no sarcasmo.
Algumas se penetram. E em delírio
Se esgotam. Em sobressalto...

E se banham. E perfumam os corpos...
E trocam seus unguentos. E colhem o orvalho
E os fios de luar com que tecem
Seus filtros.

E dulcificam o canto. E solenes se dobram
E iniciam as virgens com dedos de prata e lume
No mistério do sangue. E do mênstruo.
E louvam-se filhas de Gaia
E de Eros...

E quando a Lua esmorece. E o Oriente se anuncia
Tingindo o céu. Luzem então as armaduras frias
E regressam aos leitos. E desfolham
Açucenas. E espalham os cabelos
No peito alquebrado
Dos guerreiros...

Basta saber ouvi-las – as Valquírias!...

Manuel Veiga



5 comentários:

Graça Sampaio disse...

Bela e poética lição de mitologia germânica - que é linda!

(Já te disse que escreves MUITO BEM?!....)

(Acabei de fazer um comentário ao poema anterior que não sei se ficou registado... naba!!!)

Beijinhos, Poeta!

Graça Pires disse...

Um belíssimo poema onde sobressai uma escrita mítica,livre, erótica.
Ao mesmo tempo esta sensualidade das Valquírias não as deixa perder a inocência perante os guerreiros mortos. Tu o dizes: "E regressam aos leitos. E desfolham Açucenas no peito alquebrado dos guerreiros...
Gostei mesmo.
Um beijo, meu amigo.

O Puma disse...

Belo como sempre

Na verdade é preciso saber ouvir

também as Valquírias

Abraço amigo

Lune Fragmentos da noite com flores disse...

Gosto de te ler em poemas, exuberantes, sensíveis !

Sempre ou quase sempre o erotismo... que vai lindamente com poesia.

Mitos, florestas do centro Europa, espaços de valquírias e guerreiros.

Beijo

jorge esteves disse...

Mesmo que a 'imagem' me fuja para um atoleimado texto que escrevi, a propósito dos nórdicos, dizendo que 'as Valquírias eram umas senhoras imensas, tipo Madame Castafiori, a amiga do nosso conhecido Tintin, que usavam uma malha amarela e tinham o peito enorme sempre atafulhado de árias de Wagner', bom, tirando isso, as tuas épicas Valquírias são uma soberba peça poética.
Abraço, amigo!