quinta-feira, maio 14, 2015

APENAS UM TIMBRE ROUCO...


Sucumbiu a Palavra. Apenas um timbre rouco prevalece.
A semântica é agora eco de retumbantes sinais
Que entram garganta adentro. E sem piedade
Sufocam as sílabas luminosas de um qualquer poema...

Não há mais lugar a transitivos espaços.
Nem a morfemas em seu percurso de eternidade.
Nem a inocentes olhares no exercício percursor
De inesperadas formas.

Tudo agora é pré-datado. Com prazo de validade à vista.
Uma morfologia plasmada de absurdo inverte
As circunstâncias. De lugar e tempo.
E o Cântico cristaliza como uma ave
Empalhada...

Os olhos foram feitos não para o milagre da Diferença
Mas para a atonia da banalidade. Eufóricos apenas
Os insidiosos néons omnipresentes
E as sombras projectadas
No vazio...

Somos este écran deformado onde esgravatamos
A solidão. E nos rendemos. Abismados.
Ao esplendor do Espectáculo. Átomos perdidos
Que se empanturram de uma energia abúlica
A despenhar-se no Acaso...

Nem sequer somos Gruta onde se inscreva
Um qualquer sentido - ilusório que seja...

Apenas Cloaca onde dejectamos onanismos
Cansados. Ou pantalha onde a palavra fenece
No rodopio do Excesso...

E, no entanto, em cada espasmo de Decadência
A promessa prometeica. Que nos acorrenta.
E o fogo divino da Palavra.


Manuel Veiga

15 comentários:

Mar Arável disse...


... e já é tanto meu irmão

Abraço

Lídia Borges disse...

" Nem sequer somos Gruta onde se inscreva
Um qualquer sentido - ilusório que seja..."

Em tom de desencanto. Porém, um desencanto negado, sílaba a sílaba.
Palavra que se acende... Divina!

Lídia

Graça Sampaio disse...

Um novo Prometeu agrilhoado?
Muito bem esculpido o poema, mas cru por de mais - como a realidade que vivemos aliás...

Beijinhos

G- Souto disse...

... beijo Herético

© Piedade Araújo Sol disse...

forte e real...

:(

bom final de semana.

beijo

:)

jrd disse...

A palavras sábias Poeta.
Deixemos a Palavra viver livre e depurar-se por ela própria.

Um abraço fraterno

Carmem Grinheiro disse...

Ai, meu caro Herético!
Este seu poema é um retumbante brado contra o descalabro de nosso mundo!
Fere-nos a alma, pela verdade crua que apresenta - o facto de a sabermos, não implica que nos sintamos bem com a constatação.
"uma morfologia plasmada de absurdo inverte / as circunstâncias" - retrato fiel do que assistimos ao nosso redor, para onde quer que olhemos com atenção.
Belíssima criação, que só merece o nosso aplauso rendido.

abç amg

luisa disse...

Afinal, a palavra não sucumbiu. :)

CÉU disse...

Já tinha passado por aqui, pelo menos, duas vezes, mas fiquei "atordoada" com as palavras, as suas.

Como já tenho afirmado, eu pouco entendo das "coisas", destas e de outras, mas por umas, tiro outras.

Meu querido e "velho" escritor, k me faz pensar, k me faz recorrer ao "dicionário" para perceber a erudição usada, não seja, não gostaria k fosse tão analítico e tão real. "Não seja profeta da desgraça", por favor!

E, no meio de tudo isto, onde é k paira o amor? No timbre/na voz rouca? É sensual e apelativa, convenhamos, e aí, talvez a mente descambe e se entregue, mesmo k temporariamente, lendo.

Usa maiúsculas, onde entende que as deve usar, e diga-se, com toda a propriedade. Não obedece, por vezes, à métrica das palavras, do verso, do poema, mas as suas mãos dão, fazem o resto, e completam a obra.

O "senhor" revoluciona as palavras, e eu k as amanse, não?

Bom fim de semana.

heretico disse...

Céu,
não venha a armar em "tontinha" comigo, pf.

a "menina" é bem mais do que parece - soube ler muito bem o poema...

por isso, sabe muito bem "onde paira o amor" (no contexto do poema, claro)...

quero crer que no "fogo divino da Palavra" (resgatada)...

(desta vez a minha amiga merece o Céu rss)

Majo disse...

~ ~ ~
~~ Apesar de tudo o que foi referido,

~~~~~~ não podemos - jamais -

~~~~~ darmo-nos por vencidos!

~ ~ ~ ~ A LUTA CONTINUA!! ~ ~ ~ ~

~~~~~ Venceremos pela razão!
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

~~~Beijo, com votos
~~~~~~ de ótimo fim de semana. ~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

São disse...

Tens razão no desencanto, mas não podemos deixar de lutar...

Bom fim de semana

MARILENE disse...

Mesmo diante da tristeza, da frustração, do desencanto... sempre haverá alguém que, com a riqueza de seu sentir e de seu vocabulário, o expressará em versos de grande beleza, como os seus. Deixando a realidade de lado, eis que obscura em todos os cantos do planeta, eu me detenho na sua capacidade de manifestação, tanto em verso quanto em prosa. Parabéns!

CÉU disse...

Olá, como está?

Bem, a sua resposta ao meu comentário, está lá "pra cima", e portanto, estamos "desfasados", um no norte, outro no sul, diria.
Esta janelinha, pop-up, acho k é assim k se chama, não é nada prática, em minha opinião, pke não podemos responder a seguir ao comentário.
O comentário incorporado, é excelente, na minha opinião, mas, o criador do blogue é o "senhor".

Falando sério, tontinha, nunca fu. Amanhã, não sei. "Tontinha", sou mtas vezes e gosto de ser, embora haja quem não me acha ponta de piada, mas é de mim, e não há nada a fazer. Contudo, calculo k sei, razoavelmente, o "chão k posso pisar", mas se me enganei, peço imensa desculpa.

Boa semana!

Suzete Brainer disse...

Um poema de beleza avassaladora
percorrendo na trilha da ironia
e lucidez.
Desnudando a efemeridade na
velocidade do banal, do imediatismo
das sombras egoicas que se
acorrentam no vazio...

Excelente, Poeta!
Adorei!!
Beijo.