domingo, dezembro 13, 2015

TORNA VIAGEM...


Encobre-se o poeta em seu nome
E assim emboscado
Recolhe a graça
E se faz Mar
E barco...

E se unge
E se alcança
Marinheiro...

Torna-viagem de si próprio arde.
E na amurada do sonho funde as rotas
E todos os mapas. E em todas as praias
Aporta. Peregrino...

Em cada enseada se derrama.
E em todas as ilhas cativo.

E é mastro altaneiro. E gávea.
E é o alvoroço inaugural das ondas.
E o corpo em flor de Nereide.
E o canto enfeitiçado...

Tece agora em seu diário
A ortografia da viagem.
E o assombro. E a vertigem.

E em registo cifrado
Tabelião de desacertos
Resguarda-se.

E desdizendo-se se faz rota.
E do sangue incendiado
Se faz Grito.

É companheiro de brumas
E Argonauta de todas as demandas.

E de todas as âncoras
O prodigioso dia!...

Manuel Veiga





12 comentários:

Mar Arável disse...

Belos fingidores
artesãos de metáforas

Abraço amigo

Helena disse...

E o poeta se faz ao mar... E o mar se refaz, se desmancha e se embala no Poeta!

Janita disse...

Desdobra-se o Poeta em mil facetas e aventuras rumando por caminhos que só ele conhece e entende.
Leio e queria embarcar com ele, mas a inspiração só surge na solidão.
Fico a aguardar que volte desse mar...

Beijos, Poeta dos poetas!

Gisa disse...

O poeta encanta! Um grande bj

lis disse...

Me reporto a uma canção de Chico Buarque, diante do verso ,
'... e se faz mar e barco/ e unge /e se alcança/ marinheiro...'_ e concluo que ' a festa acabou /nosso barco partiu/meu bem/ o tempo passou na janela...'
bonito demais! como é costume aos poetas.

Laura Santos disse...

Muito rasteiro o poeta que não saiba viajar. Na força dos sentimentos e das palavras. Viaja e alcança portos desconhecidos, e em cada um deles se descobre.
Excelente poema!
xx

Graça Pires disse...

Marinheiro de outros sonhos, trago nos olhos a imensa nostalgia de outros mares...
Um poema muito belo, meu Amigo.
Um beijo.

Teresa Durães disse...

Lindo poema!

Suzete Brainer disse...

Nesta imensidão do (A)Mar,
o Poeta domina a sua arte expressiva,
na mais bela luminosidade alcançada...
É mesmo grandioso quando um Poeta alcança
tamanha luminosidade expressiva numa rota tão rara.
O teu encantamento poético é irrecusável...
Bravo, Poeta amigo!!!
beijo.

jrd disse...

Um belo poema liquido que faz da Terra o Mar.

Abraço meu irmão poeta

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema a meu gosto, porque fala do mar e dos barcos.
acho que Poeta devia rimar com mar.
muito belo.
Bom Natal
Saudações poéticas.
beijo
:)

AC disse...

Sempre gratificante, a sua poesia. Grato.

Forte abraço