quarta-feira, janeiro 31, 2018

POEMA CATIVO (editado)


Desdobra-se o poema em seu itinerário de luz
Antes de explodir

E na branca claridade dispersa depois sopro
Advinha-se a poeira dos dias côncavos
Em luxuriantes acenos.

Como se a distância
Fosse apenas o toque dos dedos
Ou o gesto suplementar do voo
E as palavras seta…

Desdobra-se o poema.
E em seu destino volátil.
Devolve-se à carne dos dias
E retoma cativo a matriz de água e o grito
Latejante no peito arfante
Do poeta...

Manuel Veiga 


POEMAS CATIVOS - Poética Edições .- pág. 21
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­

12 comentários:

Gil António disse...

Bom dia. Um gosto ler. Maravilha de poema
.
Tema de hoje:
* Campos ondulando em flor, afectos infinitos *
.
Votos de um dia feliz.

Olinda Melo disse...

É esse o segredo: o poema percorre o seu caminho entre luz e sombra, pó e fraquezas,até se elevar sendo o peito do poeta o veiculo da sua explosão total.

Aqui mora a Poesia.

Abraço

Olinda

Jaime Portela disse...

Brilhante.
Parabéns pelo talento que este poema revela.
Continuação de boa semana, caro Veiga.
Abraço.

José Carlos Sant Anna disse...

Cativo é o que nos tornamos ao ler a sua poética.
Este deslindamento do ato criador nos traz um apuro de linguagem, águas e sementes, que nos deixa fascinados com o esplendor da luz e, ao mesmo tempo, com as minúcias dessa estética tão bem urdida.
Forte abraço, caro amigo!

Teresa Almeida disse...

É tão intensa a tua poesia que, por vezes, as minhas palavras fraquejam. Saboreio-a apenas ... e ela entranha-se.

Parabéns, amigo Manuel.
Beijinho.

São disse...

Muito bom, muito bom mesmo!

Beijinho e feliz Fevereiro

Suzete Brainer disse...

Nossa, é um poema esplendoroso na beleza, a rasgar o limite
deste caminho em que as palavras explodem, depois de implodirem
no peito, como um sol nascente de Poesia:
"Devolve-se à carne dos dias
E retoma cativo a matriz de água e o grito"
Parabéns, meu amigo, neste ofício de ser Poesia,
refazendo o caminho do poema no patamar acima e único.
Um final de semana feliz, caro amigo Manuel!
Beijo.

Ailime disse...

Muito belo o poema que toma a sua forma e "Latejante no peito arfante
Do poeta..." eclode!
Um beijinho e bom fim de semana.
Ailime

Tais Luso disse...

Lendo teu belo poema diria que a poesia é a mais bela meditação sobre o mundo, sobre a natureza, sobre os sentimentos.

Desdobra-se o poema.
E em seu destino volátil.
Devolve-se à carne dos dias
E retoma cativo a matriz de água e o grito
Latejante no peito arfante
Do poeta...

Beijo, meu amigo. Um bom fim de semana.

Graça Pires disse...

"matriz de água", este poema, em que o poeta usa o grito para respirar cada sílaba... Magnífico!
Uma boa semana.
Um beijo meu.

Odete Ferreira disse...

"Devolve-se à carne dos dias"
A tua poética é esplendorosa e irrompe (rompe o) pelo corpo todo.
Neste poema, de forma brilhante, traduzes precisamente essa relação de causa-efeito. E que efeito(s)!!!
Bjo, amigo :)

Ana Freire disse...

Maravilhoso este despontar de um poema, que sai da alma e do peito de um poeta... cativante... e cativo... ligados para sempre...
Intenso e inspirador! Beijinho
Ana