sábado, junho 23, 2018

A CARTA QUE NUNCA TE ESCREVEREI - Take 2



“Chamo-te Flávia em óbvia evocação da chama em que te agitas e do fervor do meu desejo e, em artifício, soletro teu nome, como sobressalto, em arrepio de pele ou beijo em teu ouvido e a expressão risonha de teu rosto "não me faças isso!"...

Entendamo-nos: estas palavras são urgência tua. São tempo antecipado de um futuro que não será. Tenho a certeza, porém que te queres assim projectada sobre este vazio de nada, ainda que as palavras nos dedos queimem e, reinventando-te, te apague dentro de mim, como que bebendo o último trago e a mesa posta.

Compreendo que viesses em esforço de ti. Vieste por mim, está claro. Mas Maria Adelaide seduziu-te. Quiseste vê-la de perto. Mais do isso, no fundo de ti quiseste os seus momentos e a sua vida. Devo dizer-te que se não fora crueldade eu te daria a Maria Adelaide - tenho por vezes essa vertigem. Seria delicioso pressentir o vosso fogo, a gentileza suave do vosso encontro, a tensão do meu desejo, e o brilho cintilante de vosso olhar em meu sorriso. Irias gostar da Maria Adelaide, estou certo, e ela iria apreciar a ousadia. Mas estás em vantagem, Flávia. És o presente e ela, Maria Adelaide, é passado que não mais nos pertence. E, este jogo de transgressão e desejo, teria que ser jogado com as armas iguais. Fica por isso calma e serena teu sangue - daqui não passaremos. E deixa que te diga que na galeria de afectos, em que sou apenas a moldura, não ficarás mal, de corpo inteiro, a seu lado, não apenas flash fotográfico, mas retracto (embora incompleto) pintado a óleo, que exige maturação e talento”.

Assim Manuel Maria desafiava os deuses a conceder-lhe a primeira página para o seu novo livro, pois se os deuses concedem aos poetas, em cada poema, o primeiro verso, porque não os deuses não haverão conceder a primeira página aos escritores, descontada, porém a magma distância, pois que prosa é coisa banal, todos nós a exercemos, mesmo que alguns a pratiquem e não o saibam e a poesia (ah, os poetas!) é o néctar, o perfume, a infinitude, o almíscar e a ambrósia a derramarem-se no corpo e na boca dos deuses, quiçá o unguento e o afrodisíaco caprichando em leito de metáforas, qual pétalas de flores raras.

Desafiava, pois, Manuel Maria, os deuses a concederem-lhe para este seu segundo livro, se não a protecção, pelo menos a tolerância e, se não a tolerância, ao menos a indiferença, pois que, bastas vezes, caprichosos como são os deuses, vale mais tê-los distantes que próximos, sendo certo, porém, que Manuel Maria hesitava ainda entre a volúpia de novo desafio e a confortável apascentação dos dias na administração do atelier de arquitectura, cujas responsabilidades gradualmente passara para o filho, a quem reconhecia capacidade e maior vocação.

Fizera parte do pequeno grupo de arquitectos que, anos atrás, havia projectado e a reconversão urbanística da zona oriental de Lisboa, decorrente da edificação da Exposição Mundial de 1998, o que lhe permitiu granjear um apreciável portefólio de contactos profissionais e de clientes, condição primeira para se afirmar na profissão, honrando seu múnus, embora sem rasgo ou a pontinha de génio ou a luzinha da sorte que o projectasse para prémios e as paragonas dos jornais. Assim, numa mediania recompensadora, Manuel Maria se considerava realizado como arquitecto, profissão que, aliás, a vida lhe impusera, mais que deliberada escolha pessoal, pois se liberdade de escolha houvera e o destino dos homens fosse livre arbítrio. em vez de arquitecto, debruçado sobre desenhos e mapas, a conceber imóveis e edifícios, talhando cérceas e delineando frontarias, para os quais, depois, um qualquer “pato bravo” se estará solenemente borrifar, outro seria o espaço da sua pródiga criatividade, como realizador de cinema ou encenador de teatro, pois sempre se sentira atraído pela sábia manipulação de linhas, tempos, palavras, imagens e sons e, em cada uma das suas específicas linguagens extrair os significantes para, num passe de mágica, os fazer eclodir e extrair deles novos espaços de comunicabilidade, como se de “arquitectura viva”, se tratasse.

Mas a vida é aquilo que é, sem apelo, nem agravo e bem sabemos serem a maioria das vezes, as circunstâncias a determinarem os passos dos homens e os homens comuns a ajeitarem-se às circunstâncias com que se deparam, sendo porém que o equilíbrio das coisas e dos factos e dos tempos, se repõe, por vezes, com a magnitude de acções, gestos e gestas tão prenhes de Futuro, que, em tais casos, bem pode afirmar-se, que são os homens a determinarem o fulgor das suas próprias circunstâncias.

E, assim, alguns homens inscrevem a sua pegada no curso dos dias. Não era o caso de Manuel Maria, conforme já se percebeu. Estava, pois, disponível, mas não para cortes radicais e não é com a sua idade que se dá uma volta de 180 graus à vida. Fora de causa, por isso, a ideia do cinema e ou do teatro, que aliás exigem recursos e equipa que não possuía. Seria uma aventura enorme e risco de fracasso tão óbvio, que não estava disposto a correr. Mas talvez, sim, manter esta bem-sucedida incursão no universo da literatura, que lhe permitia a recreação da vida e da realidade do cinema e do teatro, sem lhe assumir as dores e escrever um novo romance, mais não seja para calar murmúrios e invejas e provar, definitivamente, a si próprio e seus detractores que o seu talento e que o sucesso do seu livro recente não fora obra do acaso.

Mas hesitava ainda Manuel Maria, calculando intimamente os prós e os contra de prosseguir a sujeição da escrita, se não valeria mais entregar-se ao prazer de viajar, buscando atmosferas e sensações desconhecidas, por esse Mundo fora, ou pura e simplesmente regressar à sua região, alimentar o bichinho da política, que nunca o abandonou, envolver-se nos problemas locais e, quem sabe, se até candidatar-se à Presidência da Câmara Municipal.

Mas tudo isto pressupunha cortar com rotinas e pequenos prazeres “sair da zona de conforto”, como, hoje em dia, a ideologia dominante designa a resiliência de cada um e não é, sem fundadas razões que, depois de dobrados os sessenta anos, se muda de “estilo de vida”, sem decisivas razões.

A literatura, portanto, impunha-se, assim, como exclusão de partes. E nesse universo de ficção e fingimento, Flávia, que um dia Manuel Maria quisera actriz e vedeta de cinema, colheria o esplendor e a grandeza de heroína de ficção literária.

Manuel Veiga
  

10 comentários:

maria franco disse...

Personagens, e seus destinos?

LuísM Castanheira disse...

[...] E deixa que te diga que na galeria de afectos, em que sou apenas a moldura, não ficarás mal, de corpo inteiro,[...]".
[...] E deixa que te diga que na galeria de afectos, em que sou apenas a moldura, não ficarás mal, de corpo inteiro,[...]".

Fixei-me, em especial, nesta passagem, para vislumbrar a arquitectura dum projecto, construído de dentro para fora, onde o Poeta, na sua rica e profiqua linguagem, traça linhas e dá cores
a uma 'narrativa' extasiante.

Não sei que 'caminho' o autor (se autor houvesse...rsrs) seguirá.
Mas sei que nele, inspiração não faltará.

Muito bom. Não direi que, como "script", seja fácil extrair um argumento cinematográfico - dado o elevado conteúdo descritivo - mas sei que é um belo 'filme' narrado.

Um bom domingo, caro Amigo Manuel.

Larissa Santos disse...

Simplesmente brilhante:))

Hoje:-Silenciavam-se nossos olhos comovidos. { BC- POETIZANDO}

Bjos
Votos de um óptimo Domingo

Tais Luso disse...

Olá, meu amigo, voltando depois da guerra com a gripe e sem pc... rs
O vídeo da pianista Valentina Lisitsa é fantástico, a conheço tocando várias composições, que bom que você a trouxe.

E o texto muito belo em várias partes...deixo uma:

A literatura, portanto, impunha-se, assim, como exclusão de partes. E nesse universo de ficção e fingimento, Flávia, que um dia Manuel Maria quisera actriz e vedeta de cinema, colheria o esplendor e a grandeza de heroína de ficção literária.

Seguiu, fez fé em seu destino.
Beijo, amigo, uma boa semana.

Teresa Almeida disse...

Excelente decisão de Manuel Maria! Por mim continuarei a fazer incursões neste romance que já mostra alicerces bem aprimorados. E o elevado nível literário está à vista.

Meu amigo Manuel, fiquei com a ideia de que te custa deixar morrer personagens relevantes num romance terminado. Como se de íntima traição se tratasse. É, particularmente, cativante esta ligação, este afeto imorredouro. Uma obra marca o autor e ele nunca a abandona, como se dum filho se tratasse.

Aguardo o próximo "take".

Beijos.


José Carlos Sant Anna disse...

Velho companheiro,
Atei as pontas dos takes só para dizer-lhe... sabe, eu não lhe digo é nada. Para dizê-lo, é preciso ruminar esta segunda narrativa, este segundo take. E há tanta coisa entranhada, há tanta coisa "incendiada" que, para dizê-lo precisaria de espaço semelhante ao da sua narrativa, dissecar este corpo tão bem definido deste este primeiro instante, não depende só de um bisturi, é preciso ser um legista experiente para não deixar nenhuma parte fora do alcance do seu olhar.
Estarei atento a cada take e, ao final, restarão a grandeza da heroína de ficção literária e o olhar atento do leitor, que nada perderá dos seus movimentos...

Um forte abraço,

luisa disse...

Sendo assim, que os Deuses estejam com o autor. :)

anamar disse...

Que surpresa...

Beijinho

Agostinho disse...

Há um escritor e poeta que é só um, pela polida narrativa, latim e erudição em tom veludo como é habitual. Tal e qual! E há um discorrer filosófico a esquadrinhar presas vitais para que o corpo do texto aumente e se faça, seja por Flávia, seja por Maria Clara, se não só duas, quem sabe outras mais, conforme a noite conforme o dia. Conformadas aos apetites próprios de personagem ou do narrador (autor). Mas, isso não é da minha conta. Importa é que a pena corra e a tinta escorra e seque para que o leitor cheire e aquilate o valor da(s) preciosidade(s).
Força, Manuel Veiga.

Suzete Brainer disse...

Meu amigo,

Maravilhoso, o primeiro parágrafo é surpreendente,
nos arrebata na sede da leitura...

Apreciei o poeta com a respiração da poesia em vários
momentos da narrativa, em que nos possibilita com
maior profundidade assimilar as cenas da história se
construindo e a personagem Flávia nascendo...

Aguardo continuação, viu?!
Bjos.