terça-feira, maio 07, 2019

AUSÊNCIA. AINDA ...

               
               Ausência ainda. Afoita
Na excessiva letra
Intrometida
Na alma
Do poeta…

Como uma gota
Tonta...

Ou uma música
Ora perdida
Na rima quebrada
Do poema!...


Manuel Veiga






9 comentários:

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e outros textos literários. disse...

Afoita a ausência ainda,
Parece ser surda de cega
Por tanto que ainda se nega
Chegar, pois ela será bem-vinda!

Será feia ou será linda?
Será como a Estrela Vega
Que no céu cedo navega,
Mas some ao dia que finda?

Essa ausência está presente
Só para a alma que sente
Ausência de tudo em nada!

Quando se planta a semente
De um amor, a alma crente
Crê ser ausência, a alvorada!

Grande abraço! Laerte.

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e outros textos literários. disse...

Afoita a ausência ainda,
Parece ser surda de cega
Por tanto que ainda se nega
Chegar, pois será bem-vinda!

Será feia ou será linda?
Será como a Estrela Vega
Que no céu cedo navega,
Mas some ao dia que finda?

Essa ausência está presente
Só para a alma que sente
Ausência de tudo em nada!

Quando se planta a semente
De um amor, a alma crente
Crê ser ausência, a alvorada!

Grande abraço! Laerte.

Larissa Santos disse...

Lindo:))

Hoje :-As estradas são como os sentimentos, inconstantes

Bjos
Votos de uma óptima Quarta - Feira

Olinda Melo disse...

A Alma do Poeta tem sempre excessiva e bela letra a transbordar-lhe do peito. Neste poema parece-me em contenção, uma ausência... O que a reterá? Mesmo gota tonta perdida nas evoluções de um solfejo é mister que ela saia.

Abraço

Olinda

Ailime disse...

Boa tarde Manuel,
A ausência feita poesia!
Muito belo o poema!
Beijinhos,
Ailime

Genny Xavier disse...

Um blues para embalar todas as ausências na melodia do verso que transborda na alma do poeta...
É isso, pouco se deve dizer sobre o que muito se sente.
Um abraço, poeta.
Genny

Teresa Durães disse...

As ausências custam

Pedro Luso de Carvalho disse...

Gostei muito Manuel deste seu poema ("Ausência ainda. Afoita"), que se inicia com esta estrofe:

"Na excessiva letra
Intrometida
Na alma
Do poeta…"


Um grande poema, Poeta. Parabéns!
Um ótimo final de semana, amigo Manuel .
Grande abraço.
Pedro

Teresa Almeida disse...

A inspiração é afoita, intrometida, gota tonta...

e eu gosto da melodia que o poeta encontra.


Beijo, meu amigo Manuel



Imperfeições

o  amor é uma linha recta. infinita no Espaço-Tempo onde se jogam todas as formas imperfeita…   ligeirissima curva, porém pertub...