domingo, junho 02, 2019

E SERÁS CORPO...


Um dia serei a forma mais breve
De um poema.

E a palavra rubra à flor
De meu desejo...

Destrancarei então nossas bocas
E serás pasto. E serás corpo.

E grito.

E serás percurso. E viagem.
E enseada. E serás porto.

E serás gruta
Onde fundeio...


Manuel Veiga







9 comentários:

Larissa Santos disse...

Simplesmente belo :))

Hoje:-
O que ontem foi amor, hoje é loucura...


Bjos
Votos de um óptimo Domingo.

Graça Pires disse...

Um poema maravilhoso. Ao lê-lo antecipo o sobressalto de seres "a forma mais breve do poema". Com tudo que isso significa…
Uma boa semana, meu Amigo.
Um beijo.

Anónimo disse...

Que poema! Que música! Merci!

José Carlos Sant Anna disse...

Isto não é um poema, um corpo vivo que nos prende, que nos ata e nele nos fundeamos...
Um abraço, caro poeta!

Genny Xavier disse...

Muito bom passar os olhos às letras dos teus versos repletos da força exposta dos sentidos do corpo... e ao som de Charles Aznavour...

Boa semana, Manuel.
Beijo,
Genny

Teresa Almeida disse...

A arte de bem escrever com os sentidos à flor da pele.
Um poema exaltado, livre e elegante.
E gosto da voz de Charles Aznavour a sobrevoar Lisboa.

Beijo, meu amigo Manuel Veiga.

Teresa Durães disse...

E sendo um poema podes inscreveres toda a beleza que quiseres!

Ailime disse...

Boa tarde Manuel,
Uma criação poética de excelência.
Gostei imenso.
Um beijinho.
Ailime

Tais Luso de Carvalho disse...

Olá, meu amigo Manuel, que belo poema, show!!
Ler essa linda obra poética escutando Charles Aznavour cantando Lisboa... o que dizer?
Maravilha em dose dupla!
Beijo, uma ótima semana.

UM BREVE ESBOÇO...

  Na gaveta das minhas horas peregrinas Busco algum fervor cálido. E íntimo. E um pouco de alquimia Ainda… E deparo com um breve...