terça-feira, março 22, 2016

TORNA VIAGEM...

Encobre-se o poeta em seu nome
E assim emboscado
Recolhe a graça
E se faz Mar
E barco...
E se unge
E se alcança
Marinheiro...

Torna-viagem de si próprio arde.
E na amurada do sonho funde as rotas
E todos os mapas. E em todas as praias
Aporta. Peregrino...

Em cada enseada se derrama.
E em todas as ilhas cativo.
E é mastro altaneiro. E gávea.
E é o alvoroço inaugural das ondas.
E o corpo em flor de Nereide.
E o canto enfeitiçado...

Tece em seu diário a ortografia da viagem.
E o assombro. E a vertigem.
E em registo cifrado
Tabelião de desacertos
Resguarda-se.

E desdizendo-se se faz rota.
E do sangue incendiado
Se faz Grito.

É companheiro de brumas
E Argonauta de todas as demandas.

E de todas as âncoras
O prodigioso dia!...

Manuel Veiga

in "Do esplendor dos dias possíveis" - no Prelo - Poética Edições





14 comentários:

Maria Eu disse...

Porque ao poeta tudo é permitido.
Porque ao poema se reconhecem voos.

Beijinhos, Herético :)

Suzete Brainer disse...

Olá Manuel,

Este Poema é belíssimo, rico com a originalidade
da sua poética.
A Escritora e sua amiga que apresentou o seu livro é
de uma excelência textual e expressiva ao revelar
a importância da sua Poesia num patamar legítimo
de reconhecimento de valor literário, diante do
Poeta transcender a dimensão direta das palavras
em seus significados, para viajar além, no
espaço novo da sua própria beleza e sentires
imagéticos.
Parabéns pelo livro e sucesso!!
A música escolhida é encantadora, o Tchaikosky é único.

Mar Arável disse...

Estou a ver-te da minha escarpa
sentado à mesa com Tchaikovsky
num belo concerto de sons
e palavras marinadas
Abraço fraterno caro Manuel

heretico disse...

pois é, meu caro Eufrázio, espero que seja em breve, com o João David, à cabeceira da mesa, a dirigir a orquestra.

fraterno abraço

Marta Vinhais disse...

Viaja-se pelo poema e pela música....
Gostei muito...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

heretico disse...

oh oh... afinal, meu caro MarArável, estás a ver-me "da" tua escarpa e não como tinha entendido "na" tua escarpa...

sendo assim a digo então que os sons de Tchaikovski levantam voo alto e encontram eco no voo das Valquíria

abraço, sempre.

luisa disse...

Em cada poema, uma viagem. :)

Agostinho disse...

Um poema soberbo que, evocando a figura de Torna Viagem, serve para anunciar o cheiro da tinta de mais uma obra do poeta.
Que se espalhe a nova com urgência pelos cais de toda a costa.

lis disse...

E na resplandecência 'dos dias possíveis', uma luz brilha intensamente a cada 'viagem'.
só posso aplaudir do lado de cá do Atlântico
viajemos pois herético

O Puma disse...

Há flores no chão que pisamos

Abraço

Jaime Portela disse...

O poeta pode ser tudo.
Como as crianças, em que o limite é a imaginação.
EXCELENTE.
Uma PÁSCOA MUITO FELIZ, caro amigo Veiga.
Abraço.

Batista Filho disse...

Repito-me: dos melhores que li ultimamente.
Abraço fraterno.

Genny Xavier disse...

As palavras tão bem ditas, de tão certas na tua hora própria à profundidade da alma, de tão coesas de verossimilhanças, chegam sinestésicas em mim... A mente repassa e repassa os versos que aguçam os sentidos além da leitura dos olhos…
Os sentidos da poesia vão até além do poeta, viajam mares e aportam terras distantes…ah, poesia! intrépida poesia que navega…chega repleta, plana, trazendo na “ortografia" da viagem as marcas da uma odisseia…

Bom ler teu poema ao som da profusão de emoções do mestre Tchaikovsky…
Beijo.
Genny

José Carlos Sant Anna disse...

Vou viajando "no alvoroço inaurual das ondas" onde fabricas tempo e vida e flui inteiro o esplendor da sua poesia.
Um abraço,