terça-feira, maio 17, 2016

UM ACASO DE COR, UM SOM INESPERADO


São, por vezes, compassivos ou deuses
E, em seu arbítrio, permitem a glória de seu rosto.
E sonhos de Eternidade...

Incautos então os homens se incendeiam
Fogos-fátuos de intenso brilho a atravessar
O Universo. E a arder em Desejo fugidio.
E se esgotam em inútil bater de asas.

E nesse percurso de solidão e morte talvez
Um acaso de cor, ou um som inesperado,
Ou um clarão mais intenso sejam lenitivo.
Ou sejam queda. Ou novo ritmo.
E regresso ao barro.

E talvez os deuses ignorem...

E o delírio passageiro se erga e ganhe forma
Inesperada. E Eros reine (breve que seja).
E amor seja florescência consumada.

E o sonho expluda. E as estrelas se percam
Em fantasmagórico bailado.

Manuel Veiga





13 comentários:

Pedro Luso disse...

Manoel,
“Nesse percurso de solidão e morte” são cometidos tantos atos que levam esses pobres homens e essas pobres mulheres a passar por reis ou seres superiores, acima do bem e do mal, indiferentes a sentimentos amorosos, voltados que estão para si mesmos. Freud dizia que todo o sentimento de megalomania denuncia um maluco.
Gostei amigo, do seu poema. Muito bom.
Um abraço.

Fê blue bird disse...

Vamos aproveitar a dádiva dos deuses e deixar fluir o amor, o sonho e a ilusão, afinal a nossa humana condição permite-nos isso.
Um belo momento de poesia!

Um beijinho grato

Suzete Brainer disse...

Um belíssimo poema que expressa a paixão como
uma loucura cega e que inutilmente se proclama
com o suicídio já anunciado.
Exite na racionalidade uma confortável
sensação de controle da realidade.
Por isso, os loucos acionam tanto receio nos "normais",
a liberação e a quebra de censura é um abismo
assustador para uma sociedade tão hipócrita.
Mas, os "normais" precisam de sonhos e todo
sonho precisa de paixão:
"E o sonho expluda. E as estrelas se percam
Em fantasmagórico bailado."
A paixão é um acaso, mas o amor é uma certeza.

Certeza também é a bela singularidade deste
teu poema e a música escolhida de excelência, Poeta!
Parabéns!

luisa disse...

Aos homens, os sonhos e a dança das estrelas. Já é qualquer coisa. :)

Graça Sampaio disse...

«São, por vezes, compassivos os deuses»... Não se tem dado conta, contudo.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Que os deuses despertem
Que o sonho expluda
Que a solidão impluda

Bailemos com as estrelas

G- Souto disse...

Um poema em que o desespero e a esperança (?) se alinham, intensamente.

Senti/li dois sentimentos contraditórios entre as palavras buriladas de teu poema belo... que Rachmaniff realça com aquela melancolia intensa/dramática que sempre solta a nossa (melancolia).

Fazes falta em 'fragmentos'...
Beijo 'Herético'

© Piedade Araújo Sol disse...


e que Eros reine e que os desejos expludam e que a terra gire e os corpos rodopiam ao som de um bailado que só eles sabem...

excelente!

beijinho

:)

Mar Arável disse...

Um poema que se interroga como se fossemos deuses com memória e somos finitos de carne e osso
a nata do efémero
Abraço sempre poeta

Ana Tapadas disse...

E por cima dos deuses o Destino...
Belo!

Beijinho

Agostinho disse...

Um poema celeste que se expande na infinita leitura cósmica do desejo.

É quando nesse "inútil bater de asas", por fugaz que seja, na dimensão da galáxia se confirma a génese divina.

Abraço

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Herético,
Não sei se os deuses ignoram, de facto...
Que os homens e mulheres saibam aproveitar a excelência da breve florescência.

abç amg

Majo Dutra disse...

~~~
Muito bela, esta viagem de estrelas cadentes!
Beijo.
~~~
~