quarta-feira, janeiro 04, 2017

Lugar Transitivo...


Inscreve-se o poema no limite da língua
Lugar transitivo onde o sentido se apaga.
E apenas o rumor se agita
E se liberta
Pura forma
Inquieta
Que se derrama
Entre as dores
Do Mundo
E a flor carnívora
Em que o poeta
Se despenha...

Assim toda a Palavra seja
Guerrilheira.

Manuel Veiga

10 comentários:

LuísM Castanheira disse...

ao poeta (no improviso da manhã):

À tua mão prende-se o chão
Na inquietação
Ao teu olhar voa o destino
Inda menino
Ao teu sorriso despe-se o aviso
De todo o perigo.
Caro poeta
Pões as palavras em extenso arco
Qual uma seta
E deixas o pensamento como lamento
No mundo de sofrimento.
Sei que haverá um dia de acalmia
E a seara alimentará o teu suor
Feito de dor
Mas no longo dia recompensado
Com o amor
Por esta terra de mar e serra
E gentes dentro
Em vales banhados por calmos rios
Nos desafios
Que tens à frente.
Sobe poeta essa muralha que atrapalha
A liberdade
Do verbo feito centelha de uma chama
No desespero por sob a lama.
Tens o condão de a mão entenderes
Ao teu irmão
Faz-te então o sonho e a razão
E não deixes para mais tarde de dizer
O que outros jamais dirão.
lmc




Manuel Veiga disse...

Luis, meu caro Amigo

que melhor destino para as minhas palavras, doridas e tensas, que serem tão bem percebidas por um poeta de tua elevada estirpe, onde a Poesia flui com elegância, profundidade e talento?

registo, com afecto, este teu gesto de amizade e cumplicidade literária, reafirmando quanto me é grata a tua presença amiga.

caloroso abraço. grato

Agostinho disse...

Dás-lhe tu a palavra eterna
e eles, na intransitividade
da náusea carnal, deitados
no pecado da insensibilidade.

Grande abraço.

Suzete Brainer disse...

Que a palavra do Poeta e assim, da Poesia sejam
"um lugar transitivo" onde o sentido transcenda
qualquer escuridão das dores do mundo e que:
"Assim toda a palavra seja guerrilheira"!

A tua Poesia é sempre uma fonte de luz na direção
que transcende significados aparentes e alcança
uma imensidão expressiva do Grande Poeta que
tu és, Manuel Veiga.

Beijo, Poeta Amigo.

Lia Noronha disse...

Palavras...cumprindo suas missões...pelos caminhos e descaminhos da vida.
Adorei o seu espaço..voltarei mais vezes.
abraços meus.

Juliana Lira disse...

Na palavra o poeta encontra seu lar, seu pão, seu conforto.
E para ele escrever é como expirar o que a vida inspira.Fazendo com que toda palavra seja guerrilheira ao passo que é libertadora.
Muito bom conhecer um poeta, que tão bem transita nesse vasto campo de palavras.

Beijos

Ana Freire disse...

Que toda a palavra seja guerrilheira e sirva para combater os grandes males do mundo... em vez de fomentá-los... através da antítese da sua função... o desentendimento...
Um belíssimo poema, com uma forte mensagem!
Belo e inspirado trabalho, Manuel!
Beijinho
Ana

G- Souto disse...

Tua poesia, nossa inquietação.

Bom Ano!
beijo
(tenho sentido tua ausência em 'fragmentos.... embora também eu ande distante)

Teresa Almeida disse...

A tua palavra despenha-se sempre, como um som a nascer bravo e limpo.
Beijo.

graça Alves disse...

Sempre esta poesia maravilhosa por aqui!
Bjinhos