sexta-feira, maio 10, 2019

NA ORLA DOS LÁBIOS...


O poema desenha-se na orla dos lábios
Na íntima tensão do verbo antes de explodir
Itinerário de sombra rente à luz

Ou murmúrio subterrâneo de gestos
A florirem no rosto imaculado das coisas
Antes de acontecerem.

Como se Eros fosse falua
A singrar oceanos ignotos e o corpo
Uma chama branca a arder
No cruzamento das rotas e
No movimento líquido da Palavra
A alagar-se em fogo.

Sem metáforas…

Manuel Veiga
Perfil dos Dias - Edição Modocromia

7 comentários:

Jaime Portela disse...

Brilhante.
Caro Veiga, um bom fim de semana.
Abraço.

Genny Xavier disse...

Querido poeta,
Tão bom que o poema possa singrar suas rotas ao sabor dos ventos e das velas...e teus versos possam atravessar o Atlântico até as margens dos meus olhos para que eu possa ler o que escreves.
Feliz domingo.
Genny

Olinda Melo disse...


O itinerário de um poema, tocando em tudo o que é importante, ou a maravilhosa forma de nos conduzir por rotas incandescentes...sem metáforas.

Abraço

Olinda

Teresa Almeida disse...

A palavra fez caminho antes de explodir no poema. E é nesse caminho que reside a sedução.

Beijo, Manuel Veiga.

Graça Pires disse...

"Itinerário de sombra rente à luz", dizes do poema… Como se o caminho das palavras se incendiasse à mediada que escreves…
Magnífico, meu Amigo Manuel!
Uma boa semana.
Um grande beijo.

Tais Luso de Carvalho disse...

Bom dia, meu amigo Manuel!

"O poema desenha-se na orla dos lábios
Na íntima tensão do verbo antes de explodir
Itinerário de sombra rente à luz"

Aplausos meus, é o caminho da inspiração, poeta!
Beijo, uma ótima semana, e uma linda festa de lançamento de mais uma obra!

Ailime disse...

Tão belo, Manuel!
O poema explode quando o Poeta o matura e há uma necessidade de encontro com a luz!
Um beijinho e uma boa semana.
Ailiem

ADÁGIO

Desnudam-se as pétalas Uma a uma. E derrama-se a cor Nua. Indefinição ainda Que alastra   Agora sinfónica. Cor e vida. E se ab...