terça-feira, maio 14, 2019

AUSÊNCIA(S) 3


São as ausências um perfume
Evanescente. Anoitecer das camélias
À margem do mundo…

Música de fundo. Ou apenas
Um acorde jazz. Lancinantes notas
No desalinho do sax…

Ou abandono dos dedos
E a página aberta. A alma absorta
E um livro tombado...


Manuel Veiga






6 comentários:

Larissa Santos disse...

Maravilhoso :))

Bjos
Votos de uma óptima Terça - Feira

Teresa Durães disse...

Ausências desenhadas nas paredes brancas. Por vezes custa muito.

Emília Pinto disse...

Tenho andado um pouco ausente, ausente dos blogs, ausente no livro há tempos começado e parecendo esquecido na mesa, ausente de visitas que deveriam ser feitas: são ausências, mas não inquietas, necessárias apenas e por um bom motivo; não doem estas ausências, mas há outras, amigo, aquelas definitivas, involuntárias que doem muito, muito e que não voltarão a ser presenças. Sei que um novo livro vai sair e, pelo que li dele aqui, será muito bom. Espero que seja um sucesso e que na " festa " de lançamento não tenhas muitas ausências a lamentar, Boa sorte, amigi! Beijinho e boa noite
Emília

Teresa Almeida disse...

São os livros que nos deixam absortos e nos levam em inesperadas viagens.
E um acorde de jazz acompanha e acalenta.
E as palavras começam a fluir...
E cumpre-se o poema.

Excelente ausência, meu amigo Manuel Veiga!

beijos.

Olinda Melo disse...


Olá, Manuel Veiga

Gosto desse abandono,languidez quase, e, imagino, os acordes que o sax vai desalinhando/alinhando nas suas improvisações, conforme o momento e as sensações. Gosto deste poema curto e contido que deixa adivinhar outros mundos e outras vidas, convidando o leitor a completá-lo, recorrendo às suas próprias vivências.

Abraço

Olinda

Genny Xavier disse...

Vezes em que as ausências são mesmo sutis, como os perfumes que espalham seus aromas devagar e suavemente...como sutis são as melodias do jazz que adentram nossa alma...ambos motivos de versos rabiscados nas folhas brancas dos livros...
Boa noite, meu amigo.
Genny

UM BREVE ESBOÇO...

  Na gaveta das minhas horas peregrinas Busco algum fervor cálido. E íntimo. E um pouco de alquimia Ainda… E deparo com um breve...